Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

22
Fev20

Vasco Pulido Valente (1941-2020)


Eremita

Screenshot 2020-02-22 at 08.43.26.png

fonte

Gosto que se diga que foi o melhor prosador da sua geração e sinto a ansiedade que sempre surge quando morre um escritor que admirávamos: se não pego no Glória nos próximos dias, creio que morrerei sem ter lido esse livro. 

Adenda 1: recomendo este completíssimo texto sobre VPV que foi publicado no Malomil em 2014 e dois textos de Diogo Ramada Curto, um de Junho de 2016 e outro de Fevereiro de 2018.

Adenda 2: artigos de VPV n'O Tempo e o Modo

 

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Eremita

    23.02.20

    Começo pelo fim: creio que Diogo Ramada Curto (https://www.publico.pt/2016/06/22/culturaipsilon/critica/pessimismo-indigena-1735946), com a autoridade que eu não possuo, fez a comparação definitiva, concluindo que VPV se destaca mais como cronista do que historiador. Não ouvi agora exageros quanto à dimensão de VPV como historiador.

    As reacções mais exageradas que houve foram de amigos de VPV, que insistiram na liberdade de VPV (incontestável, creio), na qualidade da prosa (tem fãs em todos os quadrantes políticos) e na inteligência (evidente para quem não o conhecia apenas das participações televisivas). Sendo amigos, o que querias que tivessem dito? Houve ainda dois efeitos amplificadores: 1) VPV ganhou reputação na imprensa e a malta da imprensa mais depressa dá eco à morte de um dos seus do que à de um engenheiro ou músico de igual dimensão relativa; 2) libertou-se tensão extra por se pensar nos círculos intelectuais da direita que a imprensa e a cultura são dominadas pela esquerda. Mas creio poder defender-se que, nos últimos 50 anos, tendo em conta a regularidade, os jornais por onde andou, alguns textos marcantes e o facto de ter sido, com MEC, o único cronista a deixar discípulos, que foi o cronista mais importante do país. Para quem apenas começou a prestar-lhe atenção numa altura em que já era o João Miguel Tavares o cronista mais influente do país, esta conclusão pode chocar, porque nos últimos anos a presença de VPV na imprensa começou a ser irregular e a qualidade dos textos baixou (por exemplo, o diário que escreveu para o Público era banalíssimo). Porém, no momento da morte avaliamos uma vida, não os últimos 10 anos.
  • Sem imagem de perfil

    caramelo

    23.02.20

    Mas eu não coloco em dúvida que ele seja o cronista mais importante do país dos últimos 50 anos. Isso está perfeitamente demonstrado nas reações à morte dele, se não bastasse a importância que lhe deram em vida. Eu apenas falo na qualidade da sua escrita e análise, uma coisa menos relevante, obviamente, do que ser importante. Há razões complexas para a sua importância e tu identificaste bem algumas. Obviamente, não se chega lá se não se tiver pelo menos um estilo escorreito, o que era o seu caso. Mas grandes cronistas é outra coisa.
    Não precisas que te demonstre isto. É um padrão universal e não preciso de ir buscar o Chateaubriand. Tu vais aqui ao lado e lês certas crónicas da página de desporto do El País sobre, por exemplo, um jogo de juvenis da terceira divisão de futebol. São excelentes, nisso. Não precisas de conhecer as equipas, sequer de gostar de futebol, para reconheceres a qualidade literária do texto e a profundidade humana da análise e te deliciares.
    Deixa-me continuar amanhã.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Pesquisar

    Comentários recentes

    • Anónimo

      O texto do PP é antes do mais sobre o preconceito,...

    • Eremita

      Não vale a pena, Nelson. É alguém que comenta no C...

    • Anónimo

      De nada. Dentro do género também gosto muito dos F...

    • Anónimo

      Na minha cabeça não. Na do JPP não sei, mas presum...

    • Miguel

      Não conhecia os Atomic, mas estou a gostar. Obriga...

    Links

    WEEKLY DIGESTS

    BLOGS

    REVISTAS LITERÁRIAS [port]

    REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

    GUITARRA

    CULTURA

    SERVIÇOS OURIQ

    SÉRIES 2019-

    IMPRENSA ALENTEJANA

    JUDIARIA

    Arquivo

      1. 2020
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2019
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2018
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2017
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2016
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2015
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2014
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2013
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2012
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2011
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2010
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2009
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2008
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D