Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

21
Abr17

Vacinas: jornalismo contraproducente e perda de autoridade do Estado


Eremita

A Direcção-Geral da Saúde e vários médicos têm alertado (e bem) para a necessidade da vacinação. Felizmente que a recusa das vacinas não tem no nosso país a expressão trágica que se verifica noutros (que também nos pode afectar, por via da importação de focos de contágio). No entanto, a sensibilização para as vacinas deve ser enquadrada também à luz da avalanche legislativa que nos últimos anos tem contribuído em Portugal para credibilizar os terapeutas alternativos, que atrás das portas dos seus consultórios vendem impunemente mentiras acerca das vacinas e “vacinas alternativas”. David MarçalPúblico

 

Escrevi ontem que os argumentos sensatos não funcionam para demover os insensatos pais que têm uma oposição ideológica à vacinação, servindo apenas para prevenir que outros sejam vítimas de idêntica lavagem cerebral. Já é alguma coisa e talvez justifique o "debate alargado" que os líderes políticos sugerem. Por outro lado, é sabido que a expressão "debate alargado" tende a ser uma desculpa para não colocar na agenda política o problema em questão, porque "debate alargado" carece de definição precisa. Um Prós e Contras, um Fórum TSF, um especialista meio ensonado pela pausa prandial a responder a questões dos telespectadores durante um programa da tarde, o tema debatido durante uma semana nas crónicas e nas tertúlias políticas dos media fazem um debate alargado? Ninguém sabe. Mas sabemos que os jornalistas, algo baralhados com o que são as boas práticas da profissão ou então simplesmente tentados a alimentar polémicas, já estão a elevar à categoria de especialistas em vacinação gente ignorante que se informou sabe Deus onde e charlatões profissionais, pelo que é difícil prever se o "debate alargado" contribuirá para um esclarecimento da população ou apenas agravará a situação. 

 

O outro problema está bem descrito no parágrafo de David Marçal que cito e é com enorme júbilo corporativo que vejo ser um cientista a reparar numa evidência que escapou a todos os colunistas da área do Direito e das Humanidades. Ao credibilizar terapias alternativas que não têm qualquer sustentação científica, o Estado, como refere Marçal, promoveu involuntariamente a anti-vacinação e, o que me parece ainda mais trágico, diminuiu a sua autoridade para eventualmente tornar obrigatória a vacinação com base na evidência científica. Talvez assim se perceba melhor a vontade de um "debate alargado" apressadamente manifestada pelos líderes dos partidos, pois eles (todos: PS, PSD, PCP, BE e CDS/PP) foram parte do problema e só com uma dose de hipocrisia poderão agora ser parte da solução. 

 

 

1 comentário

Comentar post

Pesquisar

Pub e serviços

Screen Shot 2019-04-07 at 17.13.03.png

”Screen

Comentários recentes

  • Anónimo

    O facto de o senhor ser responsável pelo programa ...

  • caramelo

    Blablá sarabanda alucinante bláblá geração perdida...

  • caramelo

    Eremita, o presidente da CCDR é um gestor público....

  • Maria

    O costume. Tentam a ver se passa. É incrivel o d...

  • Margarida

    Um caso estranho...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D