Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

11
Mai17

Um tempo preciso


Eremita

[actualizado]

 

Estes contos [Ronda das Mil Belas em Flol, de Mário Carvalho] fixam um tempo preciso, que talvez coincida com os anos 70 e 80 do século passado, mas isto é presunção de leitor atento à linguagem e ao modus operandi das personagens, sem resquício de juízo valorativo. Eduardo Pitta, 1.10.2016, Sábado

 

Vou ainda a dois terços do livrinho, mas já apanhei três detalhes que seriam anacrónicos nos anos 70 e 80 do século passado: uma das mulheres desloca-se de Smart, um carro que foi lançado em 2003,  o narrador esquece-se de bloquear um número de telefone e há num conto aparece uma referência a correio electrónico. Por outro lado, a importância que Mário de Carvalho dá à pilosidade púbica parece algo datada. Voltarei a este tema. 

 

Aproveito para vos recomendar também a crítica de Alberto Velho Nogueira ao livro de Mário de Carvalho, que é diametralmente oposta à de Pitta a todos os níveis. Nenhuma das críticas me satisfez. Correndo o risco de cometer uma grande injustiça, pois do autor só li um romance, dois livros de contos e um manual, o vocabulário extenso de Mário de Carvalho, rico em palavras caídas em desuso ou a que ninguém alguma vez recorreu com frequência, nem sempre se articula de um modo orgânico com a prosa, que ganha ressonâncias de português com restauro de mérito duvidoso. Quanto ao livro em concreto, Eduardo Pitta e Alberto Velho Nogueira não discutem o elemento mais paradoxal: por que motivo os contos sobre sexo de Mário de Carvalho, que incluem descrições explícitas de práticas sexuais, são tão anticlimáticos? 

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Eremita

    13.05.17

    Caro Alberto,

    Já tinha lido a sua crítica com atenção e não me escapou que não considera os contos eróticos. Eu estou de acordo, mas não é essa a questão. Interessava-me apenas perceber como consegue Mário de Carvalho fazer com que contos exclusivamente centrados no acto sexual não sejam minimamente eróticos, quando muitos chegam a incluir descrições pormenorizadas do acto sexual e revelam uma obsessão pela vagina impressionante. Admito três explicações: 1) contos sobre sexo sem envolvente psicológica não podem ser eróticos (no máximo, serão pornográficos); 2) a prosa "retórica" (para usar uma expressão sua) de Mário de Carvalho é demasiado artificial e controlada para transmitir autenticidade, acabando a exibição de técnica por impedir o leitor de se deixar envolver no que está a ler - o objectivo do escritor teria sido mostrar que consegue escrever de forma explícita sobre sexo sem ser grosseiro, nem usar as fórmulas batidas e ridículas a que recorrem autores de livros menos talentosos do que ele (estou a lembrar-me de José Rodrigues dos Santos e Miguel Sousa Tavares) ; 3) o autor limitou-se a escrever um "divertimento" e estava mais interessado no efeito humorístico (dou-lhe um "satisfaz menos") do que no erotismo.
  • Sem imagem de perfil

    Alberto Velho Nogueira

    13.05.17

    Caro Ouriquense, boa tarde,
    Estou de acordo com a sua análise. Perfeitamente.
    Saudações cordiais.
    Alberto Velho Nogueira
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Pesquisar

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Paciência, muita paciência, é o que é preciso para...

    • Anónimo

      ... há que analisar com agá, claro.

    • Anónimo

      «Já se vêem os bandos de pombos atrás do milho.»So...

    • Anónimo

      A natureza de alguns comentários neste Blog que ...

    • Anónimo

      Como assim? destrói?

    Links

    WEEKLY DIGESTS

    BLOGS

    REVISTAS LITERÁRIAS [port]

    REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

    GUITARRA

    CULTURA

    SERVIÇOS OURIQ

    SÉRIES 2019-

    IMPRENSA ALENTEJANA

    JUDIARIA

    Arquivo

      1. 2020
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2019
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2018
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2017
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2016
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2015
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2014
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2013
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2012
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2011
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2010
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2009
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2008
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D