Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

18
Mai18

Irmão,

O teu último email deixou-me preocupado. Disseste-me que os teus amigos da vila te criticaram por te dares comigo, um tipo que trocou Ourique por Israel. Para eles, Israel é como a "Alemanha nazi" ou o regime sul-africano do Apartheid. E tu nem tens os meus laços de sangue ao povo Judeu; para os teus amigos de esquerda, o teu filo-semitismo só pode radicar no pensamento político de direita. Como podes ser amigo de alguém que decidiu viver uns tempos num país que fez "a maior prisão a céu aberto do mundo"? Não adianta recordar que Cuba tem uma área 3 vezes superior à da Faixa de Gaza, porque beber um mojito em Havana foi e será sempre turismo, enquanto visitar Jerusalém nunca deixará de ser fascismo. Não adianta lembrar que Gaza também tem fronteira com o Egipto e que os países árabes usam os Palestinianos como carne para canhão. Não adianta sequer sugerir que o radicalismo do judeus ortodoxos é a face espelhada da indústria do martírio empreendida pelo Hamas, porque o Hamas faz "trabalho social" e para um esquerdista isso basta para o legitimar. Não adianta perguntar-lhes se a mãe palestiniana de um rapaz morto pelo exército israelita tem mais direito ao sofrimento do que o escritor David Grossman, cujo filho Uri morreu a lutar na guerra de 2006 entre Israel e o Líbano, nem explicar-lhes que tentas compensar o desconhecimento dos nomes dos palestianos com uma dose reforçada de empatia e nem assim encontras diferença no sofrimento desta mãe e deste pai. Não adianta, porque encontrar quem acusar é a forma mais simples de nos livramos de argumentos contraditórios.

 

Um dia alguém reconhecerá a força dos moderados que não cedem ao encanto das posições extremistas, mas não esperes nunca ver o teu rosto estampado numa T-shirt. Aqui em Tel Aviv, penso em ti ao cair do dia, enquanto contemplo o Mediterrâneo revolto e procuro alguma sincronia entre os movimentos ao vento da bandeira arco-íris dos LGBT e os quebrantos do chamamento do mulá, deixando-me embalar numa ilusão de cosmopolitismo pacífico. 

 

Abraço-te, eremita

PS: esta noite sonhei que o Estado Judaico tinha sido erguido a partir das ruínas de Dresden, logo a seguir à Segunda Grande Guerra e que hoje fazia fronteira com a Alemanha, a Polónia e a República Checa. Um Estado assente nos remorsos dos alemães e dos ocidentais. Retrospectivamente, parece-me que teria sido uma solução menos sangrenta do que a actual e um uso mais avisado desse instrumento tão poderoso que é a culpa, que agora anda ao Deus-dará. 

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Judeu

    18.05.18

    Deixe o Eremita em paz e discuta comigo. Será que eu disse que Israel era uma democracia?
    A sua resposta é muito interessante. A mãe palestiniana tem mais direito ao sofrimento do que o Grossman porque o filho dela era uma criança... Mas alguém escreveu que o filho dela era uma criança? Os soldados israelitas só atiram nas crianças? A propósito, o filho do Grossman tinha 20 anos quando morreu.

    O que eu digo é que a oposição dentro de Israel ao governo de direita tem uma autoridade moral superior à da esquerda europeia. Mas a esquerda europeia não me deixa sequer entrar em Israel para visitar o Grossman e quem pensa como ele. Este foi o ponto de partida para o postal: os amiguinhos esquerdistas do Eremita querem condená-lo por se dar com um tipo que foi para Israel. Estes são os factos. O resto é preconceito seu.
  • Sem imagem de perfil

    caramelo

    18.05.18

    E quem falou em direito ao sofrimento de mães e pais pela perda de filhos, judeu? Nota que o sofrimento é o mesmo caso os filhos tenham 120 anos e morram de fim de vida na cama, e os pais tenham 200 anos. Por acaso, sim, estava a pensar naquela criança que morreu no outro dia, porque foi esse logo que me veio à cabeça, desculpa o lapso, não num jovem de 20 anos. Mas se preferes falar de jovens, mantenho: que é diferente ser jovem soldado a morrer na guerra. É que eu não brinco com sofrimentos e, neste caso, não estamos a falar de sofrimentos, mas de justiça e injustiça. Estou convencido que percebes perfeitamente o que estou a dizer.
    Mas a oposição à direita israelita tem uma superioridade moral maior do que a esquerda europeia? A sério? Está bem. Bom, sendo assim, mesmo que a esquerda europeia, sabe-se lá como, não te deixe entrar em Israel, não terás dificuldade em contactar o Grossman pela internet para saber o que pensa ele do que escreveste. Isto, enquanto a esquerda europeia não cortar os fios da internet entre a Europa e Israel.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Pesquisar

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Atão o Nuno Artur Silva vendeu a empresa dele ao s...

    • Anónimo

      Toma lá, Caramelo, que é assim que tratam ali ao l...

    • Anónimo

      «O problema, a chaga, do Plúvio consiste em ter de...

    • Anónimo

      «É que sendo o seu pai suspeito de enriquecimento ...

    • caramelo

      Vamos lá falar. Não tenho agentes, que os agentes ...

    Links

    WEEKLY DIGESTS

    BLOGS

    REVISTAS LITERÁRIAS [port]

    REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

    GUITARRA

    CULTURA

    SERVIÇOS OURIQ

    SÉRIES 2019-

    IMPRENSA ALENTEJANA

    JUDIARIA

    Arquivo

      1. 2019
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2018
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2017
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2016
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2015
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2014
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2013
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2012
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2011
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2010
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2009
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2008
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D