Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

09
Nov18

Touros: o velcro e o veludo


Eremita

1972374_697216420300177_1327363548_n.jpg

fonte

 

Não frequento praças de touros, não acompanho o mundo tauromáquico e percebo que a adopção absoluta do argumento do valor da tradição nos obrigaria a tolerar práticas bárbaras como a mutilação genital feminina. Porém, sou incapaz de me juntar aos que gritam pelo fim das touradas e creio que esta minha limitação decorre da tradição, não enquanto argumento racional mas como memória afectiva, ainda que mais por associação a uma infância feliz do que por um gosto genuíno e vivo pela tourada. Não por acaso, uma das personagens fictícias do Ouriquense é o matador Ricardo Chibanga, que associo a um instante fundador deste blog, e em tempos estive para cometer a loucura de gastar parte das minhas economias na compra de um cartaz que anuncia aquela que viria a ser a última corrida de Manolete. É evidente que a génese de um gosto ou da tolerância a uma prática que implica o sofrimento de um animal não pode valer como argumento numa discussão, mas seria curto que servisse apenas de justificação para desencorajar quem viesse com vontade de criticar a minha falta de militância em prol da civilização.

 

As touradas que conhecemos vão acabar, é só uma questão de tempo. Espectáculos que dependem do sofrimento de um touro não são compatíveis com a evolução dos direitos dos animais. A única dúvida é se a versão da corrida sem sangue bovino inventada pelos emigrantes portugueses na América do Norte chegará a Portugal. Nos EUA e no Canadá, o touro não sangra pois tem uma protecção de velcro no dorso onde os cavaleiros e matadores colam bandarilhas com pontas de tecido. Trata-se de uma solução engenhosa que tem a vantagem de desmascarar as convicções em confronto (parto do princípio de que uma solução com velcro realmente eficaz é possível, pois a actual parece não funcionar bem). Porque se na festa o sofrimento do animal não é essencial, contando apenas a arte do toureiro, então nenhuma diferença haverá entre a corrida com bandarilhas que ferem a carne e as que ficam presas no velro. Mas que aficionado tolerará os touros com velcro? Para Manuel Alegre, seria seguramente um número circense e uma capitulação diante da “ditadura do gosto”. Inversamente, se o sofrimento do animal é apenas o que move quem se opõe às touradas, o velcro deveria demovê-los. Mas quem nas franjas destes movimentos antropomorfiza os animais e - iludido ou esclarecido - se afirma anti-especista continuaria a ver a tourada como um espectáculo indigno que humilha o touro.

 

A luta com punhos nus deu lugar ao boxe com luvas. As artes marciais, bem como todos os desportos, são formas amenizadas de combate. Se a ritualização da violência precede o aparecimento do homem, chegando a ser praticada por répteis, esse será o destino mais provável da tourada. Civilizar a barbárie pode resultar em fantochadas como o Wrestling, um teatro acrobático preenchido por personalidades excessivas na jactância e nos esteróides anabolizantes, mas quem negará que esse mundo é melhor do que o coliseu dos romanos?

 

Dado o braço-de-ferro cultural a que assistimos, o tom da acusações, e tendo em conta que uma das mãos está prestes a tocar na mesa, é provável que a tourada acabe mesmo. O touro bravo será então salvo da extinção à custa de subsídios estatais que o manterão em santuários artificialmente selvagens. Passadas duas ou três gerações e apaziguados os ânimos, alguém se lembrará de recuperar a tourada na sua forma ritualizada. A tourada terá de morrer porque a sua transformação não é possível sem um renascimento. Nem todas as revoluções são de veludo, inclusive as que dependem do velcro.

 

 

 

 

4 comentários

Comentar post

Pesquisar

Pub e serviços

Screen Shot 2019-04-07 at 17.13.03.png

”Screen

Comentários recentes

  • Anónimo

    Não percebo nada disto.

  • Anónimo

    Ah, só para unir as pontas. Depois disto é que sur...

  • Anónimo

    olha o escroque que dá pelo nome entre outros "rfc...

  • Anónimo

    Ó Eremita, pá, alegra-te também que tu que, afinal...

  • Anónimo

    Valupi, larga o vinho!XXX diz:Setembro 12, 2019 às...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D