Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ouriquense

16
Mai18

Sócrates, o discreto tio do Luxemburgo e o amigo sul-africano do seu avô

Vasco M. Barreto

Socratologia*

 

NAspirina B, Valupi & friends continuam a defender José Sócrates. Valupi já chegou ao ponto de truncar citações, mas não se trata de enganar os outros, apenas de se enganar a si próprio. Também assim deve ser entendido o seu exercício de separação entre moral, como conjunto de regras para viver em comunidade, e ética, como conjunto de regras para as relações privadas. Com este arsenal teórico, Valupi conclui que aquilo que sabemos sobre os alegados empréstimos de Carlos Santos Silva a Sócrates tem, até a Justiça se pronunciar, apenas uma relevância ética e nenhuma relevância moral, isto é, nenhuma relevância política. Para chegar a esta conclusão. Valupi torce os factos, argumentando a partir de uma suposta condenação pública de Sócrates por aceitar empréstimos de um amigo; para Valupi, esta condenação é hipócrita, pois muita gente, em algum momento de aperto, recorre à ajuda de amigos. Chegou o momento de explicar a Valupi a natureza da condenação pública de Sócrates. 

 

O que realmente se condena, embora nem todos tenham coragem ou a liberdade para o admitir, é o discurso mentiroso de Sócrates e as suas incríveis justificações quanto à origem dos seus rendimentos. Ninguém acredita que aquelas transferências sejam empréstimos. Isto não se pode dizer porque é, afinal, o que será apurado durante o julgamento, mas é de facto o que se pensa, muito por causa das fugas ao segredo de justiça. Pode-se demonstrá-lo facilmente recorrendo a dois cenários hipotéticos. Imaginemos que Carlos Santos Silva não existia e que Sócrates recebia dinheiro de um tio do Luxemburgo, tendo sempre tentado ocultar a origem desse dinheiro por lhe parecer que não ficaria bem a um estadista cinquentão receber uma mesada de um tio. Se a investigação tivesse encontrado na origem do dinheiro este tio do Luxemburgo, sem nenhma ligação a Portugal além de Sócrates, não haveria acusação nem a condenação social iria além de umas piadas e caricaturas. E se, em vez do tio, se viesse a descobrir que o dinheiro vinha de um velho amigo da família Pinto de Sousa que enriquecera na África do Sul e prometera ao pai de Sócrates ajuda incondicional aos seus filhos, também nada de grave aconteceria. A ocultação de Sócrates seria por todos defendida como um direito seu à privacidade e até as suas eventuais mentiras sobre o assunto seriam perdoadas, mesmo não vindo o dinheiro de um familiar de Sócrates. Tudo isto é tão evidente que até dá algum embaraço lembrá-lo, mas é aquilo a que Valupi nos obriga. Os empréstimos não são o problema. O problema é ninguém acreditar que são empréstimos. A classe bem pensante diz que critica Sócrates por aquilo que ele já admitiu, mas a verdade é outra: a classe bem pensante critica Sócrates por não considerar verosímeis as suas explicações. Não deixa de ser um comportamento hipócrita da classe bem pensante, mas não aquela apontada por Valupi. É uma hipocrisia que decorre das convenções sociais.

 

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    RFC 16.05.2018

    "Temos de nos habituar que o crime faz parte do dia a dia" - José Sócrates, perdão, Bruno de Carvalho.

    Valupi, certamente que quem te topa de ginjeira do Aspirina B sabe que tu é que sofres de brunocarvalhismo (e quem te topa saberá, também, que em quase tudo o que mexes o fazes para tentar enganares os outros, além de eventualmente te enganares a ti próprio).
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Links

    Revistas literárias [port]

    Guitarra

    Blogs

    Cultura

    Ajude Fausto:

    • Uma votação em curso

    Ouriquense, S.A, Redacções por encomenda

    Séries

    Personagens ouriquenses

    CineClube- programação

    •  

    Filmes a piratear

    •  

    Filmes pirateados

    Alfaias Agrícolas

    Apicultura

    Enchidos e Presuntos

    Pingo Doce

    Imprensa Alentejana

    Portal ucraniano

    Judiaria

    Tauromaquia

    Técnicas de homicídio

    John Coplans

    Artes e Letras

    Editoras Nacionais

    •  

    Literatura Russa

    Leituras concluídas

    Leituras em Curso

    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D