Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ouriquense

09
Mai18

Sobre o anonimato

Eremita

Nos primórdios dos blogs, discutiu-se muito a questão do anonimato. Não pretendo repescar esse debate bolorento, apenas deixar uns esclarecimentos. O Ouriquense é um blog escrito sob pseudónimo por capricho. Não há nenhum texto aqui que não fosse capaz de assinar com o meu nome. Aliás, a minha família, muitos amigos e conhecidos sabem que escrevo o blog e não me dou sequer ao trabalho de lhes pedir que guardem silêncio. Creio que o meu anonimato só não é um segredo ainda mais mal guardado porque não sou uma figura pública, antes um cidadão normal. 

 

O anonimato, como quase tudo, pode ser bom, mau ou neutro, dependendo do uso que lhe damos. Creio que, no caso do Ouriquense, não há vício nem virtude na forma como uso o anonimato; será um uso neutro. Não recorro ao pseudónimo para caluniar (o vício, que só os "socráticos" me atribuem) nem como exercício de liberdade de expressão ou para divulgar informação delicada e pertinente para a sociedade que me poria em perigo caso se soubesse quem sou (a virtude). Nunca escrevi um texto arriscado a denunciar algum poderoso ou algo do género que aumente a probabilidade de acordar com uma cabeça de cavalo na cama. Talvez por isso, isto é, por o pseudónimo ser um capricho dispensável, tenho sentido uma tentação crescente de abdicar dele, sobretudo desde que comecei a debater a actualidade, atraiçoando o espírito do Ouriquense. Enquanto escrevia só ficção e no registo autobiográfico, o pseudónimo era-me confortável e útil, pois ajudava a criar ambiente, a alimentar a  ilusão de que vivo em Ourique e obrigo a minha família a estar longe dos luxos da capital por motivação ideológica ou algo assim - como a personagem principal de The Mosquito Coast. Escrever um diário trasladado, isto é, transportar as experiências quotidianas do lugar onde estou para o lugar onde finjo estar, ainda me parece um exercício útil, mas é verdade que não o tenho praticado. Espero que volte a esse registo rapidamente, mas enquanto andar perdido a comentar a actualidade, o uso do pseudónimo será um incómodo.

 

Cada um saberá de si e há casos e casos, mas quando vejo alguém a falar em "coragem cívica" a propósito do que cidadãos sob pseudónimo defendem José Sócrates, apetece-me gritar "alto e pára a reinação", pedir time out e levantar a máscara. Chamo-me  Vasco Barreto, escrevi no Blogue de Esquerda, depois criei o A Memória Inventada e o Conta Natura, entre outros projectos colectivos mais ou menos falhados, antes lançar o Ouriquense. Não moro em Ourique, mas em Oeiras, e sou casado, vivendo com as duas filhas mais velhas da minha mulher e as nossas duas gémeas. Trabalho num instituto de investigação biomédica. Defender Sócrates sob pseudónimo não é um acto de coragem, mas também não é um acto de cobardia. Para mim é um acto de gente alucinada e falar em coragem revela uma panca quixotesca forte. Eu admiro o Valupi pela inteligência e persistência. Não o admiro pela coragem, mas também nunca direi que é cobarde por escrever sob pseudónimo ou que deve abdicar desse direito, seja qual for a sua motivação (capricho ou necessidade). Enfim, cumprida a minha tímida, episódica e irrepetível revelação, volto a assumir o pseudónimo e sempre que o anonimato for assunto terei o link deste post para mostrar,  não precisando assim de voltar a escrever o meu nome. Raios, isto custou. Ter escrito aqui sobre a natureza do meu trabalho verdadeiro deu-me até uma ligeira agonia. Perdoa-me, por favor, Nuno Salvação Barreto. E agora adiante. Falta cumprir o Ouriquense.

48 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Revistas literárias [port]

Revistas literárias [estrangeiras]

Guitarra

Blogs

Cultura

Ajude Fausto:

  • Uma votação em curso

Ouriquense, S.A, Redacções por encomenda

Séries

Personagens ouriquenses

CineClube- programação

  •  

Filmes a piratear

  •  

Filmes pirateados

Alfaias Agrícolas

Apicultura

Enchidos e Presuntos

Pingo Doce

Imprensa Alentejana

Portal ucraniano

Judiaria

Tauromaquia

Técnicas de homicídio

John Coplans

Artes e Letras

Editoras Nacionais

  •  

Literatura Russa

Leituras concluídas

Leituras em Curso

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D