Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

28
Jan20

Rui Pinto e a imagem de Portugal


Eremita

mw-860.jpg

Fonte

Logo a seguir à Operação Marquês, o binómio Football Leaks-Luanda Leaks é o segundo grande teste de stress à justiça portuguesa. A muitos níveis, este caso consegue até ser mais interessante do que os problemas de Sócrates com a justiça. O desgastado ex-PM está hoje reduzido à reputação de vilão vaidoso, o que acaba por ser aborrecido enquanto espectáculo. Pelo contrário, ao jovem Rui Pinto com cara de querubim de banda gótica atribuem-se qualidades e defeitos, condição essencial para que uma personagem tenha espessura. A Operação Marquês não gera já qualquer polémica na sociedade, agora que se esgotou a crítica à fuga ao segredo de justiça, nem coloca o cidadão perante um dilema. Começamos simplesmente a ficar cansados pelo tempo que o processo já consumiu e a perspectiva da sua eternização. Com Rui Pinto sucede o oposto. O sucessão Football Leaks-Luanda Leaks é fascinante pela exuberância de actualidade. De certo modo, o movimento de apoio a Rui Pinto que começou na última semana nas páginas do Público (Pacheco Pereira, André Lamas Leite, Manuel Carvalho...), apesar das diferenças técnicas, soa a defesa tímida da justiça negociada ("delação premiada" ou colaboração premiada) poucas semanas depois de uma discussão em que a Intelligentsia condenou no abstracto esta ideia recorrendo à famosa “teoria dos frutos da árvore envenenada”. É uma situação paradoxal, pois dizem-nos que nas discussões sobre a justiça não podemos ter casos particulares em mente, mas não só parece ser grande a vontade de discutir um caso concreto, como a conclusão a que se está a chegar difere daquela destilada em abstracto. O caso fascina ainda por colocar em xeque não só a justiça e os media, mas também toda uma sociedade subjugada ao mundo do futebol; o comentador político que também comenta como adepto profissional é a exteriorização mais patética desta monocultura em que o país se transformou. Visto do exterior, Portugal emerge como um país medíocre que foi cúmplice do assalto ao povo angolano e persegue agora o seu Snowden porque o Benfica é uma instituição intocável (12). Para Marcelo, o incansável fã de Portugal, isto deveria ser uma preocupação.

 

41 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Pesquisar

Comentários recentes

  • Anónimo

    Não consigo produzir opinião sobre este "caso". Es...

  • caramelo

    Alguém mais distraído que leia a prosa do Júdice c...

  • Eremita

    Está visto que me condenei à pena de ler a obra do...

  • Anónimo

    Vasco, não sei se estás a par das prosas carinhosa...

  • marina

    ó , então ? mas há grandes homens na sociedade de...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D