Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

10
Jan20

Rudimentos de estética


Eremita

O que apetece dizer, para encetar uma possível discussão com estes detractores, é que de facto eles têm toda a razão. Mas a razão que têm já tem mais de dois séculos, já a encontramos na Estética de Hegel, quando ele afirma que a obra de arte não é, para o homem moderno, a aparição concreta do divino, já não põe ninguém em êxtase, mas é apenas uma ocasião privilegiada para pôr em acção um juízo crítico sobre a arte que tem tanto valor como a própria arte. A verdade suprema da obra de arte, aquela que Hegel dizia ter chegado ao seu fim, enunciando assim o axioma conhecido como a morte da arte, é agora o puro princípio criativo-formal. Podemos dizer isto de outra maneira: a arte do nosso tempo obriga-nos sempre a colocar o negativo da arte, a não-arte, no seu horizonte. Sim, é verdade, a escultura de Pedro Cabrita Reis, assim como toda a arte desde os finais do século XIX, volta para nós a sua face obscura (mesmo que sejam vigas de ferro pintadas de branco) fazendo-nos ver que não é possível nenhum juízo crítico que não tenha em conta esta junção da arte com a sua sombra, com a não-arte. E é só a partir deste princípio que podemos começar a discutir criticamente a peça de Cabrita Reis na Leça da Palmeira (assim como grande parte do corpus da arte moderna e contemporânea). Vir para os jornais dizer “isto não é arte” é mais ou menos o mesmo que chegar a uma festa muito depois de todos os convidados já se terem ido embora (e, dessa festa, já só guardarem uma memória melancólica) e começar a gritar: “Que fraude, a festa para que fui convidado afinal não se realizou, o que vejo à minha frente não tem nada de festivo”. António Guerreiro, Público

24 comentários

Comentar post

Pesquisar

Comentários recentes

  • Eremita

    O que tem de "intelectualmente miserável" o post, ...

  • Anónimo

    Comparado com o nível intelectualmente miserável d...

  • Eremita

    Começo pelo fim: creio que Diogo Ramada Curto (htt...

  • Anónimo

    caramelo, só um génio como tu seria capaz de atira...

  • caramelo

    Tenho andado a apreciar os elogios fúnebres ao VPV...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D