Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

10
Dez17

Quem sucedeu a Eduardo Prado Coelho?


Eremita

mw-860.jpg

fonte

 

Agora que passou uma década sobre a morte de Eduardo Prado Coelho, descrito por Eduardo Lourenço como "a pessoa mais brilhante e mais inteligente" que o decano dos ensaístas conheceu em toda a sua longa vida, é oportuno perguntar quem ocupou o seu lugar enquanto "intelectual público"? Não encontro em ninguém da geração de Prado Coelho, que desapareceu prematuramente (aos 63 anos), a mesma curiosidade pelo que é novo nas artes da palavra (a prosa, a poesia, o teatro, o cinema e a filosofia) e entusiasmo pela partilha. Vasco Pulido Valente é misantropo e ludita, a Pacheco Pereira falta ligeireza para escrever à Barthes sobre soutiens, António Barreto passou décadas indignado, tornou-se aborrecido e perdeu influência, Maria Filomena Mónica vive fascinada com o seu umbigo e aos demais falta bagagem cultural ou fama entre o grande público. Na geração seguinte, Tolentino Mendonça falha por ser padre e concluo, para minha surpresa, pois antes de começar a escrever ainda não me tinha apercebido, que quem ocupa já ou está em melhor condição de vir a ocupar o lugar de intelectual público deixado vago há dez anos é... Pedro Mexia. Mexia não tem galões académicos para exibir, mas para um intelectual público a academia não é condição necessária, apenas acrescenta algum estatuto. Mexia também não é uma réplica de Prado Coelho, bastando lembrar as diferenças na orientação política, mas dedica-se igualmente a escrever sobre as artes da palavra (excluindo a filosofia), sabe misturar os registos mundano e erudito, está muito bem relacionado nos meios do poder político e dos media, e a sua reputação de melancólico e pessimista, aparentemente nos antípodas da personalidade de Prado Coelho, muito sinceramente, parece-me falsa ou no mínimo anacrónica, talvez uma herança de um estilo de escrita autodepreciativa em blogs para seduzir raparigas ou uma visão estereotipada da personalidade de um poeta, e ainda equivocada, pois um cultor do "pessimismo antropológico" não tem forçosamente de ser pessimista. Mexia tem sentido de humor e faz gala em frisar que gosta de mulheres bonitas, tal como Prado Coelho. Falta-lhe ou perdeu a truculência que fazia de Prado Coelho um polemista ímpar, capaz de prolongar uma disputa nos jornais durante semanas, mas em tempos de truculência generalizada e polémicas que se sucedem a uma velocidade incompatível com o ritmo das rotativas, talvez seja a mudança necessária para que o lugar de Prado Coelho possa ser ocupado e tudo volte a ficar na mesma. 

 

 

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    caramelo

    12.12.17

    Essa crónica do Eremita é do melhor que já li. Quanto aos brasileiros, parecem-me um povo de cronistas e não há nenhum que escreva mal. Além daqueles que citou, a Rachel de Queiroz, a Clarice Lispector e mais uma infinidade, muitos já esquecidos. Sou coleccionador de velhos exemplares de revistas brasileiras, o Cruzeiro, Manchete e outras que apanho, e é uma delícia. Um dos melhores textos que já li, em qualquer língua, é uma crónica da Clarice Lispector, em homenagem a um bandido famoso na altura, o Mineirinho, morto com 13 balas pela policia.

    http://www.pensarcontemporaneo.com/lispector-mineirinho/
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Pesquisar

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Paciência, muita paciência, é o que é preciso para...

    • Anónimo

      ... há que analisar com agá, claro.

    • Anónimo

      «Já se vêem os bandos de pombos atrás do milho.»So...

    • Anónimo

      A natureza de alguns comentários neste Blog que ...

    • Anónimo

      Como assim? destrói?

    Links

    WEEKLY DIGESTS

    BLOGS

    REVISTAS LITERÁRIAS [port]

    REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

    GUITARRA

    CULTURA

    SERVIÇOS OURIQ

    SÉRIES 2019-

    IMPRENSA ALENTEJANA

    JUDIARIA

    Arquivo

      1. 2020
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2019
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2018
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2017
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2016
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2015
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2014
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2013
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2012
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2011
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2010
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2009
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2008
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D