Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ouriquense

12
Mai18

A nossa hora histórica é tramada

Judeu

Soldiers-at-Western-Wall-Then-and-Now-e14629432156

Pára-quedistas que libertaram Jerusalém em 1967 (1967 e 2016)

 

O Estado de Israel celebra este ano o seu 70.º aniversário. Foi com efeito na tarde de sexta-feira, 14 de Maio de 1948, 5 de Yar de 5708 do calendário hebraico, às 16h, que foi proclamado o Estado de Israel por David Ben-Gurion numa sala do Museu de Telavive. (...)

Todos os presentes estavam cientes de que uma eventual proclamação seria imediatamente seguida de uma invasão árabe. Para além de Ben-Gurion, que dirigia a reunião, e de outros membros do Governo Provisório, estavam também dois comandantes da Haganah – organização de defesa judaica –, Yigael Yadin e Israel Galili, para fazerem o ponto da situação militar. “Que hipótese temos?”, questiona Ben-Gurion.  A resposta de Yadin vem célere: “No máximo 50%...” Mas Ben-Gurion sabia que, independentemente da decisão tomada, os árabes atacariam. Assim pronuncia-se a favor. Cinco dos dez participantes na reunião juntam-se a ele, quatro votam contra. O Estado Judaico será proclamado dois dias depois.

Às 23h30 desse dia histórico, o último Alto-Comissário britânico, Sir Alan Cunningham, deixava o porto de Haifa, ao fim de 30 anos de Mandato inglês na Palestina. Os ingleses partiam sem dizer adeus, hostilizados por ambos os campos. Onze minutos depois os EUA e a URSS reconhecem o Estado de Israel. Nessa mesma noite começa a invasão árabe: foi o início de uma série de guerras que nunca cessariam completamente.

Mais tarde David Ben-Gurion escreverá que até ao próprio dia da proclamação do Estado recebeu muitos pedidos de adiamento por parte de governos, personalidades e amigos que receavam que o Estado recém-criado fosse destruído. “No entanto”, afirma, “nada podia desviar-nos do caminho que escolhemos. Eles não podiam saber o que nós sabíamos, o que nós sentíamos no mais profundo de nós mesmos: esta hora era a nossa hora histórica. Se não estivéssemos à altura por receio ou falta de empenhamento, gerações, talvez mesmo séculos, suceder-se-iam antes que o nosso povo pudesse reencontrar outra oportunidade histórica – na condição de ainda estarmos vivos como grupo nacional". (...)

Tiveram razão, Ben-Gurion e o executivo sionista, em declarar o Estado de Israel?

Na época, tratava-se para os judeus de uma questão de vida ou de morte, era a sua sobrevivência como povo que estava em causa. No final da guerra a maioria dos sobreviventes judeus não podia nem queria voltar para o que agora eram apenas ruinas, perda e sofrimento. A grande maioria desejava ir para a Palestina, longe das sombras do passado europeu. No entanto, as portas continuavam fechadas pelo Livro Branco britânico de 1939 e nos anos de 1947/48 cerca de 250 mil judeus ainda vegetavam nos campos ditos de “deslocados” da Alemanha e da Áustria, em condições desumanasTal como os massacres e perseguições anti-semitas no leste e no centro europeu no final do século XIX levaram à criação do sionismo politico por Theodor Herzl, também foi o extermínio nazi o mais trágico argumento da necessidade de um lar onde os judeus pudessem finalmente ser donos do seu destino. E também a mais cruel das oportunidades...

Israel nasce marcado por dois números fatídicos: seis milhões de vítimas do genocídio nazi, cuja ausência nunca será colmatada, e os seis mil mortos na Guerra da Independência, ou seja, perto de 1% da população judaica na época, entre os quais numerosos sobreviventes [do Holocausto]. (...)

Apesar disso e fazendo o balanço destes 70 anos, a resposta é inequívoca. Nascido do sofrimento milenar de um povo, construído contra ventos e marés por homens e mulheres idealistas que ao mesmo tempo que reinventavam a língua hebraica e construíam universidades, secavam pântanos e plantavam desertos, o Estado de Israel cumpriu o objectivo inicial que lhe está subjacente: o de criar um lar onde os judeus fossem donos do seu próprio destino. Através de um esforço hercúleo de integração das vagas de imigrantes e refugiados, nasceu uma nação, com a sua própria língua e cultura original que já conta hoje com 12 prémios Nobel. Uma nação cujos princípios democráticos fundadores resistem a uma vida inteira passada em contínuo estado de alerta num ambiente regional hostil.

Mas há um outro motivo e esse infelizmente bem actual que vem dar razão à decisão tomada há 70 anos: a insegurança na qual vive hoje de novo uma parte significativa dos judeus europeus. (...) Adam Armoush, árabe israelita de 21 anos, foi uma testemunha involuntária deste crescendo em Berlim: duvidando da veracidade do que lhe afiançavam os seus amigos, decidiu cobrir a cabeça com uma kipá passando assim por judeu. O resultado foi convincente: no passado dia 19 de Abril Armoush foi violentamente agredido na rua aos gritos de Yahudi, palavra árabe que significa judeu...

A história judaica do século XX mostra-nos com toda a clareza que a liberdade e a dignidade de um povo só são reais num quadro de soberania politica. Essa foi e continua a ser a grande lição destas sete décadas do Estado de Israel.

Mas se isto é verdade para os judeus, também o é para os palestinianos. Hoje, os dois povos estão face a face e a sua existência pacífica apenas é possível no quadro de dois Estados independentes, soberanos e em pé de igualdade. Mas, para isso, os palestinianos têm de abandonar definitivamente o sonho insensato e irrealista de destruir Israel e os judeus de não esquecer que a vocação sionista inicial não era a redenção messiânica da terra, mas sim construir um lar onde os judeus pudessem finalmente ser donos do seu destino. Esther Mucznik, Público

9 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Revistas literárias [port]

Revistas literárias [estrangeiras]

Guitarra

Blogs

Cultura

Ajude Fausto:

  • Uma votação em curso

Ouriquense, S.A, Redacções por encomenda

Séries

Personagens ouriquenses

CineClube- programação

  •  

Filmes a piratear

  •  

Filmes pirateados

Alfaias Agrícolas

Apicultura

Enchidos e Presuntos

Pingo Doce

Imprensa Alentejana

Portal ucraniano

Judiaria

Tauromaquia

Técnicas de homicídio

John Coplans

Artes e Letras

Editoras Nacionais

  •  

Literatura Russa

Leituras concluídas

Leituras em Curso

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D