Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

20
Nov19

Factos deitados ao lixo


Eremita

19137739_0grK0.jpg

fonte

Uma das características do discurso populista é a manipulação da evidência. A esquizofrenia instrumental de André Ventura, que não vê nenhum problema entre escrever uma coisa na tese de doutoramento, para agradar ao júri, e dizer o contrário nas televisões, para agradar aos eleitores, é  apenas o caso mais mediático. Ainda mais extraordinários são os posts de Cristina Miranda, no Blasfémias. São sempre textos longos, aborrecidos e esforçados, isto é, que revelam trabalho de casa. Cristina Miranda apresenta factos e referências para sustentar as suas ideias. Infelizmente, as suas fontes tendem a ser péssimas. A propósito do caso trágico da mulher que colocou o filho recém-nascido no lixo, Cristina Miranda não perdeu a oportunidade de teorizar sobre o nosso declínio civilizacional às mãos dos marxistas culturais e estabeleceu uma relação causal entre a despenalização do aborto e o infanticídio. Já ouvimos maluquices parecidas vindas dos EUA, mas fico sem perceber se Cristina Miranda pratica uma pesquisa por palavras já viciada que lhe devolve apenas a informação pretendida ou se descarta toda informação que não lhe dá jeito. Em todo o caso, o infanticídio nas sociedades ocidentais diminuiu entre 1960 e 2009, precisamente o período em que a maior parte dos países despenalizou o aborto (sem pretender ver aqui uma relação causal). Evidentemente, a única reflexão de ordem prática que o caso do bebé deitado no lixo desperta é se não deveria ser possível entregar o recém-nascido a uma instituição de um modo expedito e com a censura social minimizada. Por uma vez, estou de acordo com o Henrique Raposo, que defendeu o regresso da roda dos expostos.  

8 comentários

Comentar post

Pesquisar

Comentários recentes

  • Anónimo

    Não consigo produzir opinião sobre este "caso". Es...

  • caramelo

    Alguém mais distraído que leia a prosa do Júdice c...

  • Eremita

    Está visto que me condenei à pena de ler a obra do...

  • Anónimo

    Vasco, não sei se estás a par das prosas carinhosa...

  • marina

    ó , então ? mas há grandes homens na sociedade de...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D