Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ouriquense

12
Jul18

Cinco Reis Muçulmanos para Dom Afonso Henriques?

Eremita

Portogallo_Alentejo_Alfonso_Henriques.jpg

Como disse antes: é impossível alterar o passado. Mas podemos alterar o presente. Mas para alterar o presente precisamos compreender e reconhecer o passado. Como maneira de reconhecer a história complexa e interrelacionada de Portugal e África, e da própria escravatura, e para contribuir para a criação de uma narrativa arqueológica das futuras gerações, faço uso de uma sugestão de Linda Heywood, historiadora e professora na Universidade de Boston, EUA. Numa palestra sobre o seu livro Nzinga de Angola. A Rainha Guerreira de África (editado em Portugal pela Casa das Letras, 2018) na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa no último dia 10 de maio, a historiadora sugeriu que Lisboa tivesse uma estátua de Rainha Njinga. Creio que a sugestão deve ser considerada, uma vez que esta figura feminina africana representa a complexidade da história da escravatura. Além de ter rompido estereótipos de género ao liderar verdadeiros exércitos, Rainha Njinga possuiu escravos e também os vendeu, tendo assim participado no tráfico de escravos. No entanto, também defendia que havia limites de quem poderia ser ou não ser escravizado e também lutou contra os colonizadores portugueses. No fim da sua vida, converteu-se ao cristianismo e fez as pazes com Portugal. Quem sabe se a materialização de uma Rainha Njinga no espaço urbano de Lisboa nos ajude a despir-nos de uma visão maniqueísta da escravatura? E quem sabe se, ao despir-nos de uma visão maniqueísta da escravatura, conseguimos reconhecer melhor o passado? Cláudia Silva, Público

Ainda não sujeitei esta proposta à tortura da lógica que devemos aplicar a qualquer opinião, nomeadamente as opiniões originais. Foi a originalidade o que me atraiu. Em vez de um revisionismo histórico que nos obrigue a tirar dos pedestais todos os homens brancos que se destacaram no nosso passado mas praticaram actos que hoje condenamos, teríamos um revisionismo histórico que daria pedestal a todos os protagonistas de outras etnias que também se destacaram, independentemente de terem igualmente praticado actos hoje censuráveis. A ideia, se a percebi bem, é manter os critérios de selecção e alargar a base de recrutamento, adoptar um All Bastards are Equal Act. Assim, em nome de uma visão da História adulta, isto é, que reconheça a realpolitik, mas também multicultural, veríamos materializada em alguma rotunda ou até numa praça uma estátua da rainha Njinga, que também teve e vendeu escravos. Não sei sinceramente o que pensar. Levada ao extremo, a política identitária cria absurdos - se cada grupo identitário se for fragmentando em subgrupos até à atomização, isto é, até ao indivíduo, cada um de nós ganha o direito a propor a sua estátua (en passant, que não demore a estátua do Vitor Silva Tavares!), e podemos vir a ter mais estátuas em Lisboa do que habitantes ou mesmo turistas. Mas argumentar com slippery slopes improváveis é uma péssima forma de discutir, sobretudo a política, que é a arte do possível, do entendimento,  da ponderação. Por isso, convoquei o Fausto, que já está a preparar um relatório sobre as vantagens e os perigos de colocarmos junto à estátua do Dom Afonso Henriques, alusiva à Batalha de Ourique*, uma estátua dos cinco reis mouros que ele derrotou ou então - estamos atentos, podemos sempre inovar a inovação - de um elemento anónimo da infantaria mourisca. Aguardemos. 

 

* [paráfrase]: Discutimos Deus e a virtude. Discutimos a pátria. Discutimos a autoridade e o seu prestígio. Discutimos a família e a sua moral. Discutimos a glória do trabalho e o seu dever. Mas não pomos em causa que a batalha de Ourique ocorreu perto da actual vila de Ourique e quem o fizer será imediatamente censurado.

1 comentário

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Revistas literárias [port]

Revistas literárias [estrangeiras]

Guitarra

Blogs

Cultura

Ajude Fausto:

  • Uma votação em curso

Ouriquense, S.A, Redacções por encomenda

Séries

Personagens ouriquenses

CineClube- programação

  •  

Filmes a piratear

  •  

Filmes pirateados

Alfaias Agrícolas

Apicultura

Enchidos e Presuntos

Pingo Doce

Imprensa Alentejana

Portal ucraniano

Judiaria

Tauromaquia

Técnicas de homicídio

John Coplans

Artes e Letras

Editoras Nacionais

  •  

Literatura Russa

Leituras concluídas

Leituras em Curso

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D