Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

28
Abr17

Bruno (6)


Eremita

Screen Shot 2019-05-16 at 02.47.45.png

fonte

Bruno, 40 anos, professor primário zeloso e curioso compulsivo, acumulava um conhecimento enciclopédico na vastidão mas de supercifialidade amadora, embora se distinguisse dos diletantes pelo genuíno prazer e nenhuma intenção de impressionar. Achava-se gormand, melómano, cinéfilo, literato, desportista, activista, poliglota, viajante e um bom gestor de condomínio. Frequentava agora um curso de introdução ao Direito. Na semana anterior terminara as aulas de desenho e tinha já em mente a arquitectura paisagista, sempre no mesmo instituto, sempre às Quintas. Na sala de aula, Bruno partilhava a mesa com uma senhora da sua idade, que fazia esquissos de vestidos no caderno de apontamentos, dando mostras de grande aborrecimento. Ele rotulou-a logo de ociosa da vida e concluiu que o curso lhe fora sugerido e pago pelo marido. Não era uma mulher deslumbrante e só começou a sentir-se tentado quando as pernas de ambos se tocaram por acaso. Atraía-o o estatuto de amante. Bruno tinha demasiados interesses para manter uma namorada e trocava de esposa alheia com escrupulosa regularidade, apenas para não se criar uma cumplicidade excessiva que pudesse colocar em risco os seus passatempos. Uma sequência de três mulheres era-lhe menos interessante do que o Desenho, o Direito e a Arquitectura Paisagista. A sua colega de carteira aparecera-lhe quando a rendição da amante já tardava e a proximidade que o curso possibilitava tornara tudo muito fácil; Bruno, tão voluntarioso para a vida quase toda, era um conquistador preguiçoso. Ao fim de umas semanas, ela deu o primeiro sinal claro, quando fingindo brincar com a aliança fez do anel um minúsculo aro que rodou equilibrado pelo tampo da mesa até embater no mostrador do relógio dele, com um clique e depois um rufo em decrescendo. Ele teve então uma hesitação breve, mas decidiu-se por dar ares de não ter reparado em nada. Foi ela que com mão a cair pesada sobre a mesa recuperou o anel. Nessa noite não se despediram como já vinha sendo costume.

 

O circuito de manutenção sempre o ajudara a pensar. O ritmo da passada certa e a respiração controlada disciplinavam-no, ajudado pelo desfilar regular dos troncos das árvores, tão próximas do carreiro por onde seguia que lhe davam uma ilusão de velocidade e a sensação de urgência. A mente ia fazendo pausas retemperadoras à custa das visões rotineiras que o animavam: a rapariga encorpada em roupa lycra (à segunda), o velho em esforço no fato de treino Adidas (terça), o gordo que corria sempre em sentido contrário (quarta), dois amigos a correr lado a lado enquanto discutiam empreendedorismo (quinta), os lobitos muito pouco disciplinados, desequilibrando-se mutuamente na travessia da trave de madeira (sexta). Naquela sexta sentia-se muito agitado. Estava quase ofegante e ainda não conseguira perceber a sua recusa da véspera, na aula de introdução ao Direito. Fora um instinto de sobrevivência, mas que devia obedecer a uma lógica por revelar. Tal mistério obrigá-lo-ia a dar uma volta extra ao circuito. E foi só ao crepúsculo que encontrou um princípio de explicação: a chave do enigma estava nas matérias leccionadas durante o curso, em como lhe causara surpresa o artigo 133. Aprendera que os 8 a 16 anos da pena de prisão por homicídio, agravados nos actos mais perversos ou especialmente censuráveis para 12 a 25 anos, são reduzidos nos casos de homicídio privilegiado. Num feito raro de memória conseguiu resgatar uma versão quase fiel do tal artigo e disse-o em voz alta: “Quem matar outra pessoa dominado por compreensível emoção violenta, compaixão, desespero ou motivo de valor social ou moral, que diminuam sensivelmente a culpa, será punido com pena de prisão de 1 a 5 anos”. Para ele, o artigo 133 era revoltante. Imaginou as cenas de cama com as suas várias amantes, subitamente interrompidas por um homem desvairado que os fulmina a tiro de caçadeira. Um cenário de horror. Ele e ela esvaziando-se em sangue e o assassino livre ao fim de 5 anos. De onde vinha este absurdo? Da ideia de paixão, claro. Sorriu discretamente, como quando alguém se deixa seduzir pelo seu próprio pensamento. A paixão, na lei como na mentira, tem a mesma valoração e semelhante efeito: tanto atenua a pena do criminoso, como a má reputação e os remorsos do mentiroso; comparada com outras desonestidades, a mentira passional é facilmente acomodada pela consciência de quem a comete e pela sociedade que julga. Uma pessoa apaixonada pode matar e pode ser desonesta, quase impunemente. A paixão é um estado de loucura passageira que perdoamos aos outros, para que a seu tempo também a possamos gozar sem hipocrisia. Mas o epíteto “passional”, atenuante para o assassino e o traidor, funciona como uma agravante para as vítimas. Desde logo, porque existindo uma atenuante à partida, aumenta probabilidade de haver dois cadáveres na cama ou um traído. E a seguir porque a indignação e dor dos familiares e amigos das vítimas, vítimas em segundo grau, tal como as do traído, são imensas, em contraponto com a cumplicidade da lei e da sociedade com o assassinto e o traidor, como se houvesse uma qualquer lei geral da conservação da indignação e as atenuantes se alicerçassem no sofrimento acrescido das vítimas. Perante estas conclusões novas, Bruno começou a encarar um desafio que havia até então adiado por manifesta falta de tempo: a construção de uma caravela de fósforos.

Pesquisar

Comentários recentes

  • Sarin

    E Cristina Miranda caberia?

  • Anónimo

    Ainda está online, Eremita, e bem que poderias abr...

  • Anónimo

    Eremita: pensava eu que o link era para as cenas d...

  • Anónimo

    chapada neles

  • Anónimo

    José Sócrates Gonçalves Carvalho Pinto de Sousa, v...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D