Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ouriquense

11
Out18

A única virtude de Bolsonaro

Eremita

Até lá, Bolsonaro (tal como Trump e os outros fascistas de turno, cada um que aparece sempre considerado como pior que o anterior) é apenas um político como os outros, que defende coisas certas e erradas, sendo a classificação de certas ou erradas em cada uma dessas políticas uma coisa muito subjectiva... (...) 

O que um político diz, interessa muito pouco, o que interessa mesmo é só o que faz. Henrique Pereira dos Santos, Corta-fitas

 

Bolsonaro não é Hitler, não é Mussolini, não é sequer Franco. Em bom rigor, se quisermos ater-nos a um debate intelectual de natureza escolástica, ele não é bem a representação do fascismo. Há nele, contudo, na dimensão medíocre que a sua pobre personalidade proporciona, tudo aquilo de que a tradição fascista historicamente se alimentou. O anti-iluminismo, a exaltação sumária da unicidade nacional, a apologia da violência, o culto irracional do chefe. Bolsonaro é pouco mais do que um analfabeto ideológico com todos os perigos que isso mesmo encerra. Ele e a sua prole de jovens tontos significam hoje o maior perigo com que se depara o mundo ocidental. Francisco Assis, Público

 

Uso e abuso de uma citação de Vergílio Ferreira que muito me marcou quando li o livro Pensar: "envelhecer é a desautorização progressiva daquilo que nos entusiasmou"*. Já concordei mais com o nosso existencialista. Creio hoje que o entusiasmo é menos perecível e mais recuperável do que a capacidade de indignação. Lutar contra a indiferença que se vai apoderando de nós é muito mais urgente e mais difícil do que ir inventando experiências que nos entusiasmem. O entusiasmo recupera-se marcando um salto de pára-quedas que garanta uma embriaguez de adrenalina. E a capacidade de indignação, como se recupera? Não há programa nem receita, pois estamos dependentes das circunstâncias. Eis então o único mérito de Bolsonaro: ter criado uma circunstância perfeita para percebermos não só quem é de esquerda e de direita, mas sobretudo quem ainda se indigna com o discurso deste homem, inadmissível numa sociedade decente, e quem tem um ódio tal à ideologia de esquerda que está disposto a tolerar tudo. Não vou perder tempo com o que alguns malucos, idiotas ou propagandistas profissionais escrevem nos blogs de direita portugueses. Mas o post com que Henrique Pereira dos Santos, um homem inteligente, culto e com cultura cívica, branqueia o discurso de Bolsonaro e lhe dá o benefício da dúvida conseguiu indignar-me. Defender a ideia de que aquilo que um político diz não interessa é passar uma verdadeira certidão de óbito à política. Se suspendermos o juízo até o político estar no exercício do poder, acabam as campanhas eleitorais, acabam os debates, acabam as propostas, acaba o compromisso, acaba tudo. Independentemente do resultado da segunda volta das eleições presidenciais no Brasil, o próprio Henrique Pereira dos Santos terá muita dificuldade em continuar a intervir na sociedade mantendo-se fiel à sua ideia estapafúrdia, urdida apenas à medida da mediocridade e alarvidade de Bolsonaro. Mas é refrescante poder discordar tanto de alguém. Obrigado, Bolsonaro. Obrigado por teres conseguido dois feitos da ordem do milagre. É que não imagino mais ninguém capaz de me rejuvenescer 20 anos e levar Francisco Assis a escrever prosa realmente de esquerda. 

 

* A citação não será exactamente assim, porque entretanto perdi o livro e não tive oportunidade de a confirmar.

 

 

20 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Revistas literárias [port]

Revistas literárias [estrangeiras]

Guitarra

Blogs

Cultura

Ajude Fausto:

  • Uma votação em curso

Ouriquense, S.A, Redacções por encomenda

Séries

Personagens ouriquenses

CineClube- programação

  •  

Filmes a piratear

  •  

Filmes pirateados

Alfaias Agrícolas

Apicultura

Enchidos e Presuntos

Pingo Doce

Imprensa Alentejana

Portal ucraniano

Judiaria

Tauromaquia

Técnicas de homicídio

John Coplans

Artes e Letras

Editoras Nacionais

  •  

Literatura Russa

Leituras concluídas

Leituras em Curso

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D