Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

17
Mar18

A discussão sobre a universidade como não deve ser


Eremita

Screen Shot 2018-03-17 at 13.18.03.png

fontes: 12

 A contratação de Passos Coelho para dar aulas em várias universidades e o mais recente caso de um político com um currículo alegadamente fraudulento espoletaram* um "debate" sobre a universidade de uma pobreza que envergonha. Não é fácil perceber se foram menos oportunos os que falam da arrogância dos académicos nas suas "torres de marfim" (que torre? Que marfim? Estarão a par da "proletarização" crescente dos académicos?), os que questionam a competência de Miguel Vale de Almeida para estar numa universidade (na versão idiota ou com graça) ou aqueles cujo impulso imediato foi proteger a reputação da Universidade onde também leccionam. Se quiserem discutir realmente a Universidade, talvez seja melhor mudar de pretexto, desenvolver motivação genuína e algum conhecimento do tema. Podem começar, por exemplo, por ler e comentar um ensaio publicado por António M. Feijó (de camisa branca) e Miguel Tamen (de camisa às riscas) intitulado A Universidade Como Deve Ser (Ensaios da FFMS) ou pelo menos ouvir os seus autores. Trata-se de um livrinho escrito por quem relalmente conhece e vive a universidade, passou pela experiência de a tentar inovar e não usa o tema como pretexto para brilhar ou acerto contas. Apesar de algumas passagens de provocação juvenil a piscar o olho ao populismo que se dispensariam (um dos cenários é a "implosão" do Ministério da Educação) e de os autores desvalorizarem o problema da endogamia, o livro vale por defender o curso universitário como uma busca de conhecimento e não um tirocínio para um emprego e ainda por avançar uma combinação e hierarquia de propostas absolutamente originais em Portugal.

* "Espoletaram" ou "despoletaram", Plúvio? Tem razão o Ciberdúvidas ou Vasco Graça Moura?

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Eremita

    17.03.18

    Quando alguém entra de repente no nosso campo de visão, há duas interpretações possíveis: essa pessoa passou a existir no momento em que a vimos ou já existia, mas estávamos a olhar para outro lado. O MVA era um antropólogo conhecido em Portugal e no estrangeiro antes de aparecer no Pós e Contras e da sua breve passagem pelo Parlamento. O anónimo tem todo o direito de se irritar com os comentadores generalistas, mas não se percebe por que motivo MVA se distinguirá dos outros. Os comentadores generalistas tendem a destacar-se em algum ramo de actividade e MVA destacou-se como antropólogo e activista LGBT. Enfim, se apreciou o post no Blasfémias, o meu caro anónimo deve ser alérgico ao activismo LGBT, mas aqui no Ouriquense não lhe podemos receitar nenhuma pomada.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo

    17.03.18

    Sim, apreciei o post do Blasfémias. Não, não sou alérgico a esse tipo de causas... live and let live. Não preciso de pomadas.

    No que respeita a MVA, situei o seu tirocínio ainda antes do Prós & Contras e da sua oportunista passagem pelo parlamento. Estou a falar do tempo das manifs em que MVA, com o seu namorado, procurava as câmaras como o Emplastro, para ver se lhe estendiam o microfone. Ainda me lembro de o ouvir dizer na TV que tinha a esperança de a mãe o poder ver casado com o seu moçoilo, já que esse era um desejo da sra. Nessa altura - noventas - MVA dava os primeiros passos para a obtenção da posição que atrás expliquei e o activismo LGBT era a sua única causa e razão de aparecer. Diz o Eremita que ele já era um "antropólogo conhecido" antes do activismo. Passo ao lado da subjectividade da adjectivação (conhecido onde? no prédio em que habitava? no Trumps?) e reafirmo o meu ponto: a posição que MVA obteve, mesmo a académica, andou sempre à volta "da causa". Nada contra, é legítimo. Não me venham é dizer que se trata de alguém que tem alguma coisa de interessante para dizer. Usou a causa para alpinismo nos meios em que se situa: um intelectual feito à pala da cena LGBT, como o caricato Feliciano B. Duarte é um intelectual feito à pala... do Bombarral. O que acontece é que há mais gente adepta das causas fracturantes do que da simpática terra do oeste e por isso o distinto antropólogo é "conhecido" aqui e lá fora. Ideias interessantes e pensamentos sólidos saídos da sua cabeça? Zero. E para dizer banalidades travestidas (não é trocadilho) de ideias, o omnipresente Marques Lopes, a especialista em coisas Dra. Clara Ferreira Alves e o exaltadinho Daniel Oliveira já bastam.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Pesquisar

    Comentários recentes

    Links

    WEEKLY DIGESTS

    BLOGS

    REVISTAS LITERÁRIAS [port]

    REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

    GUITARRA

    CULTURA

    SERVIÇOS OURIQ

    SÉRIES 2019-

    IMPRENSA ALENTEJANA

    JUDIARIA

    Arquivo

      1. 2019
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2018
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2017
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2016
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2015
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2014
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2013
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2012
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2011
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2010
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2009
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2008
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D