Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

24
Abr17

Sara (3)


Eremita

Screen Shot 2019-05-16 at 02.58.35.png

fonte

Como todas as mulheres, Sara aprendera a higiene íntima na adolescência, rotina que não se alterou durante décadas e realizava maquinalmente. Só a sua outra higiene a levava a constantes mudanças. No acto de se lavar entre o momento passado com os amantes e o regresso à cama com o marido, Sara começou por acusar um afinco maníaco que lhe deixava as coxas em carne viva, o sexo dorido e a boca numa confusão de elixires, pastas medicinais, dentífricos que prometem brancura e pastilhas para o mau hálito. Dias mais desaustinados houve em que Sara experimentou o sabão azul, os detergentes da cozinha, esfregões e uma única vez com a palha-de-aço. Aos poucos acalmou, sem que chegasse a dispensar o demorado banho de chuveiro e um olhar para o ralo da banheira que pedia demasiada carga metafórica da água que se escoava. Certo dia, percebeu que envolver o marido a ajudava. Fez com que ele lhe lavasse as costas, depois o corpo todo, mas desencorajando o menor sinal de entusiasmo da parte dele, que nada percebia. O ritual de Sara completava-se com uma exposição prolongada da cara à água do chuveiro. Foi há pouco tempo que o gesto deixou de fazer o efeito pretendido e ela passou a tomar banhos de imersão, de novo sozinha, renovando várias vezes a água da banheira, para executar no fim uma imersão total naquela água já sem o menor vestígio de impureza, e emergir com a cabeça inclinada para trás, como um cristão renascido. A conta da água aumentou. 

23
Abr17

Andrade (2)


Eremita

Screen Shot 2019-05-02 at 16.50.13.png

Fonte

Todos previam para o aluno Andrade uma ascensão fulgurante, capaz de o fazer catedrático antes dos 35 anos, mas uma melancolia crescente foi-se instalando nele ao longo do curso, culminando num desinteresse pela carreira. Esta é a explicação oficial, boa para as instituições (a academia e a família). Eis a verdade: Andrade foi um caso exemplar daqueles que são vítimas de uma pulsão e um princípio irreconciliáveis. Casado desde os 18 anos com a namoradinha da adolescência, precocidade emancipadora que na altura os pais toleraram como sinal do seu génio, ao entrar na universidade Andrade soube que chegara ao seu destino; jamais iria querer dali sair e em poucos anos confirmou-se o que ele pressentiu no primeiro dia de aulas: viciou-se em sexo no local de trabalho. Mas desde o primeiro acto sexual transgressor (num anfiteatro, fora de horas) teve a certeza de que nunca recorreria ao ascendente hierárquico para seduzir, prática com grandes tradições na academia, por ele considerada abjecta. A consequência era óbvia: quanto mais alto Andrade subisse na carreira, menores seriam as suas opções de parceiras sexuais e ainda mais dramática a diminuição de oportunidades com parceiras apetecíveis. Só lhe restava recusar a glória académica e consolidar uma posição de assistente para a vida. Para tal, foi adiando a defesa da tese sem nunca a abandonar. O seu trabalho todos os anos crescia umas boas 300 páginas e essa demonstração de labor junto dos superiores chegou para que lhe tolerassem o capricho, pois durante décadas manteve o estatuto de génio excêntrico. Doce solução. Com a tese nas 1200 páginas, entre as recém-contratadas professoras auxiliares apenas uma ou duas lhe eram apetecíveis; com a tese nas 6600 páginas, todas as recém-contratadas professoras auxiliares lhe pareciam sublimes. Andrade foi um caso único de realização pessoal pela estagnação académica. Às 12000 páginas, um incêndio na universidade consumiu a tese. Consta que ninguém chegou alguma vez a saber o que ele escreveu a vida toda. Envelhecido e sem obra, a sua posição acabaria por se tornar indefensável e foi forçado a reformar-se, o que ele aceitou sem reclamar; aos 63 anos já era difícil seduzir na universidade. No seu último dia, enquanto descia a escadaria avaliando se a sua condição de reformado não seria razão para abdicar da sua regra,  Andrade viu uma contínua de grande beleza, perdendo o controlo pela primeira vez na vida. Muito tempo depois de o traumatismo provocado pelo cabo da esfregona ter sarado, ainda se debatia com a questão de ter ou não violado o seu princípio e discutia incessantemente o caso com a mulher a partir de cenários hipotéticos, pois não deixara de ser um intelecto superior.

23
Abr17

João, Maria e Sofia (1)


Eremita

Screen Shot 2019-05-16 at 03.05.55.png

fonte

João amava Maria e amava Sofia. Maria preferia as cuecas apertadas e Sofia as mais folgadas. João tinha o mesmo número de umas e outras, o que o reconfortava, como se fosse uma prova de que amava uma tanto como a outra. Vivendo sozinho e nunca sabendo se e com qual delas se encontraria de noite, levava umas cuecas vestidas e umas do outro tipo muito bem dobradas e enfiadas num dos bolsos das calças; havendo encontro e necessidade de trocar as cuecas, a mudança era feita na casa-de-banho do escritório. João sentia-se mais confortável nas cuecas folgadas e por isso as vestia sempre de manhã, escolha que tinha ainda a vantagem de reduzir o volume a transportar no bolso e nunca foi por ele interpretada como prova de uma maior empatia com Sofia - de resto, ela, ao contrário dele e de Maria, dizia "boxers" e nunca "cuecas". Curiosamente, João encontrava-se mais vezes com Maria, mas disciplinava-se a pensar que, ao acordar, a probabilidade de nessa noite se deitar com Maria ou Sofia era idêntica. Ao privilegiar o critério do conforto, João sentia-se justo.

22
Abr17

Infidelidade: uma abordagem prática


Eremita

Há vários anos, noutro blog, iniciei uma série de micro-histórias sobre a infidelidade. A série não gerou o interesse que eu antecipara e o blog viria a terminar em 2008. A aceitar a definição de insanidade atribuída a Einstein, que a terá descrito como a expectativa de um resultado diferente pela repetição incessante do mesmo procedimento, retomar a série no Ouriquense com o intuito de a concluir só pode revelar insensatez, mas outra coisa não seria de esperar de quem trocou Lisboa e uma carreira encaminhada por Ourique e a precariedade da tradução e da agricultura de subsistência. Seguem-se algumas considerações e depois uma entrada desta série por dia, pelo menos até meados de Maio. 

 

Podemos ser infiéis aos deuses, a uma ideia ou a um amigo, mas aqui apenas escreverei sobre a infidelidade amorosa. Sendo este um dos temas mais explorados pelas artes, o desafio que assumi foi o de descobrir um ângulo novo. Na esmagadora maioria dos casos, quem escreve sobre a infidelidade sente-se vítima de uma ou então tenta expiar a sua culpa. Estes estados de alma podem ser uma energia inesgotável para a escrita, mas tendem a deixar os textos reféns do ressentimento e da vitimização, da raiva e da vingança, ou de um qualquer tipo de sublimação. Apesar da empatia que serão capazes de gerar, tais textos tendem a ser mais interessantes para quem os escreve do que para quem os lê. Evitar essas pulsões naturais pode ajudar a saltar mais alto, mas é depois preciso safar os calcanhares, contornando o sarcasmo, a ironia e o cinismo, que são registos fáceis e batidos. Cumprido tal exercício, pode ser que o texto resulte original e, muito provavelmente, amoral. Não me parece um mau resultado. Afinal, sobre a infidelidade já foi tudo dito, declamado, escrito, filmado, por vezes esculpido e infinitas mais vezes cantado. Existe uma taxinomia do infiel, se não ainda compilada num único volume, seguramente à mercê de uma qualquer pesquisa bibliográfica ou online. Existirão também, com toda a certeza, tratados sobre a infidelidade ao longo dos tempos, ensaios a rebentar de antropologia, sociologia e contemporaneidade, e não faltam exemplos de reportagens nos semanários, consultórios sentimentais, especialistas em sexualidade a perorar nos media e da inevitável literatura de auto-ajuda explícita. Sobra então o exercício de estilo. É claro que o leitor pode sempre suspeitar que a semente é a mais comum das motivações, ou seja, que se escreve para lidar com uma infidelidade de que se foi vítima, agente, cúmplice ou tudo isso (inclusive em simultâneo). É uma suspeita legítima, mas que nada acrescenta. O importante foi tentar a amoralidade.

 

A amoralidade manifesta-se sobretudo no tom acrítico com que são descritas as soluções encontradas pelas personagens para resolver problemas que vão da mera logística ao conflito interno. Quem praticou alguma ciência biológica de tipo celular ou molecular antes do aparecimento da internet, talvez tenha tido a oportunidade de usufruir de um dos volumes da série A Practical Approach, publicada pela Oxford University Press. Aí se compilavam, sob um tema comum, protocolos escritos por especialistas. Dessa série não retiro apenas o nome para esta série. Nas ciências biológicas, um protocolo descreve um encadeamento de acções que levam à produção de um resultado de eventual valor científico. Salvo as situações que podem infligir dor a um animal, que envolvem algum plágio, associações ao Terceiro Reich ou exigem uma prática clandestina, do fabrico de vinho a martelo ao das drogas ilegais, como a cocaína, heroína e a metanfetamina, a execução do protocolo é amoral. E apesar de requerer atenção, deve ser realizado maquinalmente – nas palavras de um cientista meu conhecido, “nos dias em que se faz experiências, não se pensa”. Porque o protocolo cristaliza um conhecimento que devemos pôr em prática a uma velocidade que é incompatível com o aprofundar de cada uma das suas etapas, tal como um discurso fluente só se produz se evitarmos mergulhar na etimologia de cada palavra pronunciada. A isto se chama pragmatismo e ninguém negará que a ausência de reflexão e escrúpulos aumenta o leque de soluções práticas.

 

As histórias serão publicadas no Ouriquense sem critério aparente (se encontrarem um, avisem-me). Têm por título nomes próprios, tantos que dão a sensação de se estar a ser exaustivo, mas o número almejado (100) corrigirá tal impressão, pois os números redondos revelam que se parou por capricho. 

Pesquisar

Comentários recentes

  • Anónimo

    Eremita: pensava eu que o link era para as cenas d...

  • Anónimo

    chapada neles

  • Anónimo

    José Sócrates Gonçalves Carvalho Pinto de Sousa, v...

  • Anónimo

    Sempre , sempre mas mais ao são Gonçalves .Nelson

  • Anónimo

    Nelsinho: já rezaste hoje ao São José, ou ainda nã...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D