Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

21
Set18

Sobre o anonimato e um equívoco


Eremita

Como longe vão os tempos em que teorizávamos com entusiasmo sobre o anonimato nos blogs, serei breve. Este blog nasceu quando me apercebi que estava condicionado por ter percebido que um outro blog que tive era lido por uma aluna minha. Como sempre entendi os blogs como espaços de liberdade, a solução foi encerrar esse blog e começar outro anonimamente. Mas uma vez resolvido o problema pontual, nunca mais me preocupei em esconder a minha identidade, entre outros motivos porque o Ouriquense, ao contrário do blog precedente, nunca foi pensado para seduzir e o passar dos anos só vincou essa tendência. A ideia de "trasladar" experiências quotidianas para outro lugar pareceu-me feliz, um bom algoritmo para a ficcão, e venho acumulando cada vez mais provas de que a ficção existe apenas para maximizar a liberdade individual. A pergunta mais estúpida de sempre é: "o que há de autobriográfico na sua obra?" 

 

Quando alguém revela informação sobre mim que aparentemente não é pública e pensa que me desmascara, há um equívoco. Este blog não é secreto, não aposta no charme do mistério, tem  apenas um autor (Vasco M. Barreto) e nenhuma pretensão à heteronímia. O que conta não é o anonimato aparente do "eremita" e muito menos algum enigma sobre quem escreve (repito, sou só eu), mas a minha vila de Ourique e uma existência ficcionada paralela enquanto estratégias de evasão. Quem me protege é Ourique, não um qualquer anonimato aparente. Isto parecerá algo bizarro, sobretudo porque há muitos meses que não cuido da minha Ourique inventada, mas é o que me importa e em boa hora deixarei de comentar a actualidade e retomarei o rumo virtuoso. Entretanto, preferia que não me aborrecessem com insinuações de que estão a par de coisas sobre a minha vida que não são sequer interessantes, nem nunca foram segredo. 

 

Pesquisar

Pub e serviços

Screen Shot 2019-04-07 at 17.13.03.png

”Screen

Comentários recentes

  • flor

    não desmerecendo o texto, o título é sublime.

  • Sarin

    Fossem ideias e o epíteto banal seria adequado.Mas...

  • Albino Matos

    Este PD n é o PDuarte da Obeissance, pois não?http...

  • Sarin

    Está mesmo errada. Não fariam como não fizeram.Vio...

  • Anónimo

    A bana(na)lidade e o minimalismo de um estado pass...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D