Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

01
Set11

Peter


Eremita

Voltei da costa e venho mais magro. Emagrecer, que para a maioria das pessoas é uma boa notícia, no meu caso corresponde a activar o alerta laranja. E como estou praticamente sem dinheiro, resolvi tentar a minha sorte no mundo das traduções técnicas e deixar-me de fantasias. Tenho alguma formação e até já dei conta de um livrinho, para não falar das inúmeras traduções e revisões pro bono. Vamos ver se é desta que começo a ganhar dinheiro. 

 

Tudo começou quando uma pessoa (digamos, o Peter) me contactou por email. Como a proposta era suficientemente aborrecida para não vir da Nigéria, comecei a trocar impressões com ele, que diz ser de Nova Iorque. Numa primeira abordagem, destinada a evitar que ele perdesse o seu precioso tempo e eu criasse falsas expectativas, enviei-lhe uma versão simplificada do meu currículo feita à base de links. Peter deu-me então luz verde para eu me candidatar a sério, o que fiz nesse mesmo dia. Veio depois um teste de tradução de inglês para português, incluindo um excerto de uma intervenção cirúrgica com corte e dissecção de uma mucosa vaginal que se oferecia ao tradutor como a origem do mundo do Courbert ao visitante da antiga Gare d'Orsay, o que, por um instante, tendo em conta o pudor do protestantismo americano, trouxe de volta os nigerianos. Mas lá completei o teste, rodeado dos glossários e dicionários que cravei ao Judeu (ele possui todos os factos anteriores a 1978). Aguardo o resultado. 

 

Ganhar dinheiro com traduções técnicas não poria apenas pão na mesa, pois preciso de uma nova; seria sobretudo o culminar de uma fuga iniciada desde que vim para aqui. Não fujo de credores, nem sequer - perdoem-me - de mim próprio. Fujo do meu nome. De resto, há indícios de que tudo começou há muitos mais anos, a julgar pela degenerescência da minha assinatura, bem registada na série de documentos de identificação, declarações e contratos que fui acumulando. Um trabalho publicamente anónimo, nos antípodas do que antes fazia, seria a solução para a minha vida. A brincadeira frustrada como ghost writer já apontava nessa direcção. O problema não é o fardo da responsabilização, que aceito e até me dá gozo sentir, mas o da competição. Sempre pensei que gostava de competir, quando na verdade gostava era de ganhar. A derrota não me enobreceu, mas trouxe-me lucidez. Para escapar a este destino não basta um pseudónimo, é preciso uma libertação completa e ficar assim mesmo, uma coisa por nomear. Sem nome acaba o track record e com um percurso interrompido todos os caminhos voltam a ser possíveis. 

4 comentários

  • Imagem de perfil

    Eremita

    01.09.11

    O básico: inglês-português (neste sentido).
  • Sem imagem de perfil

    -pirata-vermelho-

    01.09.11

    Nunca lh'apeteceu ler um daqueles 'russos de referência' escrito em russo?
  • Imagem de perfil

    Eremita

    01.09.11

    Sim, mas também me apetecia tocar violoncelo e fazer kitesurf, só que provavelmente já não vou a tempo.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Pesquisar

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Atão o Nuno Artur Silva vendeu a empresa dele ao s...

    • Anónimo

      Toma lá, Caramelo, que é assim que tratam ali ao l...

    • Anónimo

      «O problema, a chaga, do Plúvio consiste em ter de...

    • Anónimo

      «É que sendo o seu pai suspeito de enriquecimento ...

    • caramelo

      Vamos lá falar. Não tenho agentes, que os agentes ...

    Links

    WEEKLY DIGESTS

    BLOGS

    REVISTAS LITERÁRIAS [port]

    REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

    GUITARRA

    CULTURA

    SERVIÇOS OURIQ

    SÉRIES 2019-

    IMPRENSA ALENTEJANA

    JUDIARIA

    Arquivo

      1. 2019
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2018
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2017
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2016
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2015
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2014
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2013
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2012
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2011
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2010
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2009
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2008
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D