Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

09
Jan11

O medo de persistir


Eremita

 

 

 

 

Há razões para pensar que o domingo foi reaproveitado pela religião católica como mais uma ferramenta de promoção da natalidade. Não me refiro à criação de condições para uma longa manhã de sexo, obviamente, apesar do horário altamente suspeito da missa do meio-dia. A ideia de descansar ao domingo só é boa ao primeiro olhar, porque com o passar do tempo se descobre que respeitar uma ordem de descanso é, em si, algo trabalhoso. Preencher o vazio do domingo passa então a ser um problema que, à falta de outras ideias, se tenta resolver começando uma família. É isso que a religião explora. Para tal contribui a tendência para a introspecção quando não há nada de urgente para fazer, o impulso biológico para procriar, embora por vezes já bastante atenuado por uma qualquer filosofia alemã ou francesa, a memória das ocupações familiares e domingueiras dos nossos pais, e o desaparecimento ao domingo dos amigos que criaram uma família, tidos por gente que resolveu o problema com sucesso. A outra solução é o passatempo.

 

Mas o passatempo é uma solução imperfeita. Há o utilizador de passatempos compulsivo, que ao domingo tem uma agenda de chefe de Estado, mas é um caso raro e um exemplo esclarecedor de desajustamento entre a profundidade do problema e a ligeireza da solução. O passatempo é também uma via perniciosa, porque qualquer decisão que não implique um risco não chega propriamente a ser uma decisão. Ora, o passatempo nunca chega a falhar;  não há grupos de apoio a filatelistas desiludidos.

 

Pescar, caçar, ir a exposições, passear no jardim, ver televisão e ler é deixar o tempo correr. A família é apanhar o tempo,  perpetuando-o. Por outras palavras, estas duas soluções não são apenas distintas, mas antagónicas. São também diferentes na sua essência, porque o passatempo evolui para a inconsequência, enquanto a família tende a evoluir para a crise. Sucede que essa prática continuada da crise na família gerou planos de contingência muito eficazes, nomeadamente a lidar com o vazio de domingo. No caso do divórcio, por exemplo, surgem as figuras do domingo sem as crianças e do domingo com as crianças, o único hábito regular capaz de valorizar este dia. Assim sendo, o refúgio no passatempo não é só uma cobardia, é sobretudo uma estupidez. Como sucede com muitas formas de melancolia, de resto.

Pesquisar

Comentários recentes

  • Eremita

    Era mesmo necessário encher a caixa de comentários...

  • Anónimo

    Entretanto, diverte-te com as cenas do Nuno Arturi...

  • Anónimo

    Correcção. Apesar de tudo entende-se: o quando est...

  • Anónimo

    Eremita: excelente bom gosto, de facto, deve ser p...

  • Rita

    Tantos comentários e em nenhum a referência a que ...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D