Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

28
Out10

Gonçalo M. Tavares


Eremita

Nunca li propriamente Gonçalo M. Tavares, apenas folheei os seus livros, terminei uns textos curtos de ficção e  consumi algumas entrevistas suas. Ainda assim, parece-me desde há muitos anos o escritor mais ambicioso da sua geração, o que neste caso não deve ser confundido com a geração do escritor, nem com a geração do leitor, porque inclui ambas. Diria até mais: pela grandeza, tal ambição está ao nível da de um Pessoa ou de um Jorge de Sena. Quanto à sua natureza, creio ainda ser a mais genuína das ambições. Uma ambição de artista, mais do que uma ambição de sucesso. Tudo isto me parece admirável. É evidente que posso estar completamente enganado; a principal dúvida consiste em saber se o seu experimentalismo é lido (vê-lo é fácil) e se, sendo lido, é apreciado sem complexos, ou seja, até que ponto Gonçalo M. Tavares, mais do que a sua obra, goza da tal suspensão de descrença? Em todo o caso, conhecer a obra deste escritor holds great promise. Recorrendo ao futebolês, ele surgirá como bestial ou como besta, e é para estes momentos de elevado dramatismo que ainda nos vamos guardando. Mas suspeito estar mesmo diante de um homem bom e talvez seja de lembrar que há um pessimismo antropológico medricas, em que é maior a preocupação com a possbilidade de errar do que a vontade de acertar e ser justo.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Pesquisar

Comentários recentes

  • Maria

    Um grande jogador!

  • caramelo

    O meu preferido é o Babbit, mas também gosto do Ar...

  • caramelo

    A sério que tenho competência na política das caus...

  • Anónimo

    Vénia!

  • Anónimo

    Os textos do Bloom não são sobre literatura? Ó Car...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D