Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

06
Jul10

O pulsar da treta


Eremita

 

A mentira incomoda muito, mas tanto que a situação depressa se torna insustentável. A treta ("bullshit") incomoda menos e, por isso, tende a acumular-se. Alguém que não seja um mentiroso compulsivo não deixa de mentir, mas não é conquistado pela mentira porque o seu organismo, mais tarde ou mais cedo, a vai rejeitar como se fosse um objecto estranho - daí a tal verdade que vem à tona, a confissão à hora da morte, Raskolnikov, etc. Nesse sentido, só a treta se torna verdadeiramente crónica e chega até a transcender essa sua natureza, para se confundir com o próprio corpo, como um objecto perfeitamente integrado e vascularizado.

 

Já não tenho presente o On Bullshit, de H.G. Frankfurt, e não sei se me apropriei desta distinção entre a mentira e a treta. Em todo o caso, depois de horas a preencher papéis - ainda me acontece - com um discurso redondo e absolutamente inconsequente, entradas após entradas entremeadas como uns pontapés no mobiliário, a irritação já foi embora e sinto dentro de mim o pulsar da treta. Se é verdade que se morre descontinuamente, creio que hoje morri bastante.

 

Que saudades de uma boa mentira. Uma das poucas desvantagens da solidão é a falta de convívio com alguém que nos minta a sério.  O sofrimento causado por uma mentira não se pode simular, não se finge, não se  compra nos bordéis das zonas raianas, como se compra carinho ou sexo. Faz sentido. O mercado não se engana. O carinho e o sexo não restauram a capacidade de indignação, que é o que há de mais regenerador e não pode ter preço.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Pesquisar

Comentários recentes

  • Anónimo

    Vasco: diz-se agora na Visão que o teu amigo João ...

  • Anónimo

    ... guê de gugu, assim gadget.

  • Anónimo

    Adenda... ó Vasco: tal como o Galamba, o Siza, o C...

  • Anónimo

    Vasco, Vasco, Vasco.«Nós queremos ter Natal! E que...

  • Anónimo

    Off.Da série “Subsídios para um Dicionário Breve d...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D