Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ouriquense

30
Nov17

O PCP, Belmiro de Azevedo e Tolstói

Eremita

Não é só a ideologia que explica o voto do PCP, mas também a experiência de vida dos seus deputados. Só quem nunca tentou criar e manter uma empresa ou uma equipa em competição permanente com outras empresas ou equipas pode ficar indiferente ao percurso profissional extraordinário de Belmiro de Azevedo. Retirei-me para Ourique, mas ainda me lembro do trabalho que dá. Quanto à abstenção do Bloco, assino por baixo o que aqui se escreveu.

 

Os que leram (ou ouviram em audiolivro, como foi o meu caso*1) o Guerra e Paz dividem-se em três grupos: aqueles que adoram os epílogos, sobretudo o segundo, aqueles que os consideram redundantes, pedantes e essencialmente muito aborrecidos e aqueles que, tendo lido ou ouvido o livro, não fazem a menor ideia daquilo a que me refiro. Tolstói discute, de modo muito crítico, a teoria de que a História pode ser contada a partir da biografia dos grandes homens. Uma enunciação primária desta tese sobre a importância dos grandes homens, que deixou entretanto de ser popular na academia mas não no nosso consciente mais inconfessável, seria algo como: se Belmiro de Azevedo não tivesse existido, não teríamos hoje os 100 000 empregos que ele criou. Sentimos que há algo de errado nesta formulação. Podemos até aceitar que se não tivesse sido Belmiro de Azevedo, teria provavelmente sido um outro empresário a ocupar o seu lugar, mas não faz sentido supor que esse Belmiro de uma realidade alternativa fosse uma cópia fiel do Belmiro de Azevedfo que conhecemos, ao ponto de também ele ter, por exemplo, financiado um jornal de referência em Portugal durante décadas. Como a história virtual é um exercício sem credibilidade científica, ainda que giro, como avaliar o modo como um homem transcendeu a sua circunstância? Não me refiro à narrativa estereotipada do self made man, que hoje todos os jornais e colunistas repetem, em que nos limitamos a articular a origem humilde com a riqueza e poder acumulados. Continua*2

*1 Ter visto uma vesão em filme não conta, sejamos sérios. 

*2 Como já há comentários ao primeiro parágrafo, não os vou suspender, mas peço-vos que não comentem o segundo parágrafo, que está por concluir. Fica para depois ou não, porque pressinto que me meti numa alhada; seja como for, o montado não pode esperar. 

 

 

29
Nov17

Silvio

Eremita

 

Não punha uma canção de Silvio Rodríguez há muito tempo e esta nem sequer é das minhas preferidas, mas aqui fica, dedicada a todos os suecos que acompanham Ouriquense

29
Nov17

Quando chove dentro de casa

Eremita

Que nunca vos chova dentro de casa. Quando chove dentro de casa, mesmo que seja pouca chuva, mesmo que os pingos caiam silenciosos, mesmo que nenhuma madeira inche, nenhum bolor se forme, nenhum cheiro se crie, nenhum vizinho nos cobre a infiltração no tecto e todos os electrodomésticos funcionem, a sensação de desconcerto e desarrumo suplanta a de simples desconforto, transbordando para os dias soalheiros. Não me espantaria se se viesse a descobrir uma telha rachada como a causa última da decadência de muitas famílias brazonadas. Cuidemos dos telhados.

28
Nov17

Tullius recomenda

Eremita

Nova série: Tullius recomenda

r25b.gif

Opodcasts de comentário político ou cultural parecem ter cristalizado num formato em que o remate é feito com as recomendações de cunho pessoal dos podcasters. Resolvi criar uma rubrica equivalente no Ouriquense. Aliás, planeio para 2018 um Ouriquense com grelha de programação, para ser cumprida com disciplina germânica. Como recomendar apenas é coisa de escuteiro, juntei um twistzinho: cada recomendação será genuína, 100% livre de ironia, mas virá com um elogio calibrado para aborrecer alguém, o que me levou a recuperar uma das minhas personagens preferidas, o intriguista Tullius Détritus. 

 

Inicio a série recomendando o último post de Sérgio Barreto Costa (SBC). Este blogger escreve no Blasfémias, um blog que perdeu interesse desde que João Miranda deixou de lá escrever e se tornou insuportável quando Helena Matos aprendeu a publicar posts sem pedir ajuda, mas não se deve imaginar SBC como um zarolho em terra de cegos, pois a sua prosa é elegante e inconfundível. Escritores com prosa elegante ou inconfundível abundam, mas alguém que consiga fundir os dois epítetos é uma raridade que merece destaque. Reparem também que cito de SBC um post em que ele se debruça, essencialmente, sobre o mesmo tópico que serviu a Francisco José Viegas para mais uma proclamação sobre a liberdade de expressão e que tanto me irritou. Curiosamente, apesar de pouco diferir do de Viegas, o tom do texto de SBC pareceu-me feliz e concordo com tudo o que escreveu. A esquerda bem pensante pensa mal a liberdade de expressão.  

 

 

28
Nov17

Parasitas da fama

Eremita

Tenho sérias dúvidas sobre a relevância deste exercício de revisão do português de romances contemporâneos de escritores conhecidos. A Sábado limita-se a criar "conteúdos" para poder explorar o nome de escritores famosos e criar polémicas vazias de sentido. Se era para mostrar a interacção entre revisores, editores e autores, consigo pensar em alternativas infinitamente mais interessantes. Aliás, mesmo no que toca à revisão mais primária, o exercício tem correcções absurdas. Por exemplo, aposto que Lobo Antunes usa o "derivado a que" em discurso directo, porque pretende que a sua personagem fale dessa forma, e nenhum revisor inteligente e atento corrigiria a passagem para "devido a".

27
Nov17

Ajuizar à portuguesa

Eremita

"Tony Carreira aceita pagar 20 mil euros a vítimas de incêndios para encerrar processo por plágio. Solução proposta por juíza foi aceite pelo cantor, que alega que o acordo não significa que tenha cometido plágio. Público

 

Já tínhamos um Estado que legitima aldrabões (os das medicinas alternativas). Agora temos uma Justiça que até lhes dá ideias. 

 

 

26
Nov17

Aconteceu alguma coisa?

Eremita

A insistência no “politicamente incorreto” pode, claro, resvalar para o “politicamente abjeto” – esta evidência assusta a maior parte dos gramáticos que policiam a nossa linguagem. Ricardo Araújo Pereira está entre os alvos mais fáceis; nos últimos dias, foi acusado de quase tudo nas chamadas redes sociais, e não me custa acreditar que, em breve, seja acusado de homofóbico, racista, xenófobo – a lista habitual é uma argamassa, nunca se é acusado de uma só coisa e há de acabar como fascista, e assediador sexual. O debate não é sobre a liberdade dos humoristas mas sobre a liberdade em sentido lato (onde eles estão incluídos, porque caminham no fio da navalha). Nem sobre a ameaça à criatividade. Tem a ver com o desejo de silenciar os outros e de substituir a realidade por uma língua infantilizada e hipervigiada, sem pecado nem dúvida. Os filhos dos anos 60 e 70 não admitem contrariedades; quando estas existem, querem “zonas seguras”. Não têm sentido de humor nem lhes interessa o passado (a História). Antigamente, queríamos debater; as novas polícias do pensamento querem exterminar. Francisco José Viegas

Se excluirmos do universo das redes sociais as interacções que tenho aqui com o Alberto, o Caramelo e o Nelson Moura, não frequento nenhuma. Por já lá ter andado, sei que as redes sociais são - para mim, friso -  uma perda de tempo e uma fonte latente de conflitos conjugais, pelo que não tenciono voltar. É agora usual ter conhecimento das polémicas que animam as redes sociais através dos colunistas que as comentam dos seus poleiros na imprensa e televisão. Sem excepção, os colunistas desprezam as redes sociais e não se cansam de o afirmar, ficando por esclarecer se é por nostalgia dos tempos em que apenas eles tinham voz ou simples conveniência. A segunda hipótese é a mais interessante. As redes sociais dão imenso jeito quando se trata de avançar a nossa tese de estimação. Embora sejam hoje a manifestação mais pura da voz do povo, o colunista pode desprezá-las, bastando que nunca use a palavra "povo" e insista no termo "redes sociais". As redes sociais são interclassistas e há uma sensação difusa de que lá andamos por capricho e guilty pleasure, pelo que o colunista que as critica pouco arrisca. As redes sociais são também plurais e aparentemente infindáveis, pelo que sempre se encontra alguém a escrever uma qualquer inanidade que nos serve de exemplo para o que queremos argumentar e mesmo sem a encontrar podemos afirmar que existe - digamos - probabilisticamente. 

 

Sob pena de estar enganado por não ter acesso directo às redes sociais, diria que o texto de Francisco José Viegas é algo exagerado e denota uma grande ansiedade em discutir a liberdade de expressão, inventando para isso mártires improváveis e censores grotescos. Parte da explicação para a recorrência dos debates sobre a liberdade de expressão resulta de uma polarização em que os opositores, sem disso se aperceberem, se equivalem no grau de susceptibilidade. O fraco desempenho no espaço público dos argumentos à base de nuances ou gradações também contribui para esta interminável conversa sobre a liberdade de expressão. Por exemplo, se eu afirmar que defendo o direito de publicar cartoons a gozar com o Islão ou o Cristianismo, mas que aprecio a censura social que reprima o uso da palavra "mongolóide" para definir um indivíduo com trissomia 21, será que se percebe que também condeno a proibição de teses negacionistas (sobre o Holocausto) e que defendo uma discussão livre sobre diferenças no Q.I das diferentes raças (e o direito a usar o termo "raça", já agora) ou entre os sexos, mas que não votaria em quem anunciasse que iria financiar estudos sobre a genética da inteligência em seres humanos? Será que a minha posição faz algum sentido? Talvez faça, se tivermos presente a diferença entre censura social e proibição legislada, e que podemos defender que não haja tabus, mas, em simultâneo, querer que o dinheiro público seja usado para o bem comum (não encontro nehuma boa razão para continuar a esmiuçar as diferenças de inteligência entre as raças ou entre os sexos). Ora, é extremamente difícil defender uma posição com nuances num debate sobre a liberdade de expressão sem dar ares de fraco. Pode ser até que me acusem de estar a querer censurar Francisco José Viegas quando insinuo que nada de particularmente grave terá acontecido a Ricardo Araújo Pereira (RAP) nos últimos dias e que, em todo o caso, não devemos levar a sério quem faz de mártir da liberdade expressão um humorista tão consensual como RAP, que pratica um humor para toda a família e não deve ter publicado um único pensamento político ousado na vida, repetindo sempre - se excluirmos o tema em discussão - as causas da chamada esquerda caviar. RAP já praticava um humor clean, bem comportado, na época em que pouco teria a perder, pelo que quem fizer dele um mártir não se apercebe do ridículo ou então caiu numa armadilha montada pelo próprio RAP, se o humorista, contrariando a sua natureza com o propósito único de demonstrar a sua tese, se revelar polémico, o que creio que ainda não aconteceu e, dada a posição que RAP entretanto conquistou, provavelmente nunca acontecerá. Até em Portugal encontramos humoristas com currículo bem superior ao de RAP para a papel de mártir da liberdade de expressão. Basta pensar em João Quadros ou Rui Sinel de Cordes, que escrevem piadas de "mau gosto" sobre doenças e mortes de pessoas concretas queridas, em vez do humor conceptual, à Monty Python, dos sketches de RAP e das suas crónicas em que os visados são sempre os Relvas da vida, sobre quem dizer mal até cai bem. Enfim, a questão essencial não é saber que humorista deve ser o nosso mártir da liberdade de expressão (em rigor, continua a ser Herman José, apesar da explosão do humorismo nas últimas décadas, o que não deixa de ser curioso), mas se não deveríamos estar mais atentos a casos menos mediáticos de silenciamentos por medo de perder o emprego ou outra qualquer pressão à moda antiga, que não se exerça nas redes sociais. Afinal, se os paladinos da liberdade de expressão estão sempre a lembrar que "words are not actions" (será mesmo assim?), é algo contraditório que se queixem tanto das redes sociais (no fundo, "falam, falam, falam, falam, falam, falam, mas eu não os vejo a fazer nada"), embora seja justo reconhecer que em contradições os paladinos são consistentes, pois fazer de mártir da liberdade de expressão um dos homens mais mediáticos deste país, que também "fala, fala, fala, fala, fala, fala...", não está ao alcance de todos. 

 

 

 

 

 

Pág. 1/4

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Revistas literárias [port]

Revistas literárias [estrangeiras]

Guitarra

Blogs

Cultura

Ajude Fausto:

  • Uma votação em curso

Ouriquense, S.A, Redacções por encomenda

Séries

Personagens ouriquenses

CineClube- programação

  •  

Filmes a piratear

  •  

Filmes pirateados

Alfaias Agrícolas

Apicultura

Enchidos e Presuntos

Pingo Doce

Imprensa Alentejana

Portal ucraniano

Judiaria

Tauromaquia

Técnicas de homicídio

John Coplans

Artes e Letras

Editoras Nacionais

  •  

Literatura Russa

Leituras concluídas

Leituras em Curso

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D