Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

04
Mar17

A frase da semana


Eremita

Após uma manhã a ler cronistas lusos, confirmo que Pedro Santos Guerreiro é o nosso Aaron Sorkin. Reconheço algum poder no enlevo moralizador da prosa do director do Expresso, mas creio que o autor se deixa seduzir pelas suas próprias palavras e o texto acaba por soar a discurso para arrebatar plateias, manipulação que este leitor dispensaria. A crónica de hoje, sobre as declarações de Salgado, em que a novidade é ouvir-se o banqueiro a "justificar-se,  em vez de negar", tem uma passagem praticamente gongórica que deixou a milhas a concorrência. A rematar um parágrafo em que Santos Guerreiro se mostra perplexo com aqueles que, ganhando um ordenado chorudo, se deixam corromper por mais alguns milhões, lemos: 

 

Quando é que o dinheiro chega? É ter um barco maior, outro Malhoa? É ir aos palácios da luxúria esfregar-se em ruminância alarve no colchão das ganâncias? Pedro Santos Guerreiro, Expresso

 

Seria mesquinho reduzir a excepcionalidade da frase a negrito à inclusão de uma palavra ("ruminância") ausente dos dicionários que consultei, pois é a imagética onanista, isto é, fálica, alusiva à avareza, luxúria e egocentrismo que a torna singular. 

04
Mar17

"A opinião é coveira do jornalismo"


Eremita

Vejamos um exemplo. Na edição do Diário de Notícias da passada segunda-feira, o director Paulo Baldaia assinava um artigo de “opinião da direcção”, com um título veemente: “Com base na mentira não há opinião, há mentira”. Aí, referindo-se ao facto de haver quem tenha dito que a notícia do PÚBLICO sobre os 10 mil milhões transferidos para os offshores não fez mais do que retomar uma notícia de Abril, para silenciar o escândalo da CGD, Paulo Baldaia escreveu: “Não lhes ocorre informarem-se para perceber a diferença entre os dez mil milhões de euros que foram notícia em Abril por fazerem parte da estatística e os outros dez mil milhões que foram notícia por terem passado ao largo”. Eu, que nada sabia dessas especulações baseadas numa reclamada repetição manhosa, dez meses depois, da mesma notícia, registei as palavras de Paulo Baldaia. Mas ao fim da tarde do mesmo dia li um artigo de opinião, “O offshore da pós-verdade”, de Henrique Raposo, no Expresso, que começava assim: “Parece que Belém ou São Bento [...] ressuscitaram esta notícia já antiga para folgarem as costas da chibata da Caixa”. Sem mais informações sobre o assunto, perante as duas afirmações contraditórias sinto-me um leitor desprotegido, entregue à intuição, às minhas próprias crenças e ao teor de confiança que o colunista do Expresso, o director do DN e o próprio Público me suscitam (isto é, entregue a tudo aquilo que me incita muito mais a propagar mentiras do que a ler jornais). Ou o pressuposto factual de que partia Henrique Raposo era falso e todo o seu artigo de “opinião” não tinha qualquer legitimidade (por uma destas razões: ignorância? Incompetência? Má-fé? Impostura? Fraude? Calúnia?), ou Paulo Baldaia estava errado no exemplo que deu para defender a sua tese e devia pedir desculpa aos alvos das suas invectivas. Mas a confusão, mesmo para um leitor treinado no exercício indiciário de detective, aumenta quando lemos na mesma edição diária, online, do Expresso, um artigo de Nicolau Santos. O pressuposto factual da sua argumentação, o de os 10 mil milhões, ou parte deles, não “terem sido tratados pela Autoridade Tributária”, (“segundo noticiou o Público”, acrescenta com prudência) desmente toda a base factual de que parte Henrique Raposo: “Estes dez mil milhões de euros foram declarados ao fisco”. Pelo princípio da não contradição, temos de concluir que algum ou alguns destes intervenientes fizeram afirmações falsas. Por falta de informação (mas isso não desculpa a produção jornalística da contra-verdade) ou para produzir um “efeito de verdade” – essa coisa bem antiga a que agora se deu o nome de pós-verdade. É preciso mais para percebermos que a “opinião” é a coveira do jornalismo? António Guerreiro, no Público (os negritos são meus)

04
Mar17

Conselho de taróloga


Eremita

Conselho de taróloga sobre “galdérias” revela “machismo entre as mulheres” Público

Quando se perceber que o mais absurdo deste título são as primeiras três palavras, o problema fica resolvido. 

02
Mar17

O diabolus ex machina de Ricardo Salgado


Eremita

Li o artigo da Visão sobre o mais recente interrogatório a Ricardo Salgado, um "exclusivo" que, a julgar pela capa, a Sábado também publica em exclusivo esta semana. As declarações evasivas de Salgado são absurdamente cinematográficas e o modo como a realidade tem vindo a escrever este enredo causa grande embaraço aos guionistas profissionais. Entre mais um provérbio de outras geografias, lapsos de memória, "garantia fiduciária" como o cúmulo do eufemismo para "suborno", uma quinta enigmática e declarações desconcertantes sobre o génio de Henrique Granadeiro para a vitivinicultura, Salgado atribui ao diabo a autoria de uma coincidência de datas comprometedora. Tendo eu ainda vivo na memória o capítulo dos Karamásov em que Ivan alucina e dialoga com o diabo, não hesito em afirmar que o diabo de Salgado é muito menos verosímil do que o de Dostoiévski e descaradamente mais ex machina. Sobre a falta de escrúpulos estamos ainda no domínio das alegações, mas concluo já que falta na equipa de assessores de Salgado alguém com uma sólida formação em Humanidades.

02
Mar17

Sempre os mesmos


Eremita

Nem sempre um blogger diz mal de um cronista da imprensa de referência por inveja. De resto, o que irrita este blogger não é um cronista em particular, mas a acumulação de colunas semanais na imprensa escrita e espaços de comentário na rádio e TV por cronistas generalistas que não têm um ângulo de análise suficientemente original ou pertinente para tantos palcos. Para que conste, desta vez nem estou apenas a pensar em Seixas da Costa, pois abundam outros exemplos: Pedro Adão e Silva, Pedro Marques Lopes, Isabel Moreira, Daniel Oliveira, Pacheco Pereira, etc. 

01
Mar17

Da natureza humana


Eremita

Desconfio que as minhas gémeas só dão os abracinhos enternecedores quando estão na presença de outros. Mas sei que, sozinhas ou acompanhadas, a chupeta e o brinquedo da outra são sempre os mais cobiçados.

01
Mar17

Adolescente de sorriso estampado


Eremita

Passou por Ourique um adolescente vestindo uma sweater com o desenho de uma enorme cara redonda e estilizada, de sorriso rasgado, a lembrar o bonequinho dos anúncios da Regisconta ou - para os mais novos - um emoticon. O contraste entre a cara do adolescente e o sorriso estampado na sweater não podia ser maior. As minhas filhas têm roupa parecida, mas são bebés sorridentes. Não descarto a hipótese de o adolescente ainda vestir a roupa que a sua mãe lhe compra e ser vítima de um desajuste temporal que tende a atingir o zénite precisamente na adolescência. Mas admitamos a seguinte hipótese alternativa: conhecendo o sorriso e comunicando-o ao mundo através da sweater, o adolescente optou por não sorrir. Não seria sequer um capricho, dada a combinação por vezes letal de acne, peer pressure, descoordenação motora, ejaculação precoce e existencialismo. 

Pág. 4/4

Pesquisar

Comentários recentes

  • Anónimo

    Eremita: pensava eu que o link era para as cenas d...

  • Anónimo

    chapada neles

  • Anónimo

    José Sócrates Gonçalves Carvalho Pinto de Sousa, v...

  • Anónimo

    Sempre , sempre mas mais ao são Gonçalves .Nelson

  • Anónimo

    Nelsinho: já rezaste hoje ao São José, ou ainda nã...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D