Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

07
Set16

Uma nêspera no cu


Eremita

 

Só por inveja ou estupidez não se poderia reconhecer que o podcast Uma nêspera no cu se alimenta de uma grande ideia, que pela sua simplicidade e eficácia nos parece quase ovo-colombiana. Como é que ninguém se lembrou antes de fazer do jogo dos dilemas um grande programa de entretenimento? O programa terá ainda o mérito de ser falado num português vernacular rico em referências escatológicas e sexuais, e sem receio de usar nomes de figuras públicas na composição de cenários embaraçosos. Mas é pena que a noção de entretenimento e um desejo de originalidade algo infantil transformem quase todos os dilemas em situações elaboradíssimas, porém absurdas, versões barrocas de um  "preferes uma nêspera no cu ou um dióspiro?", quando se sabe que o verdadeiro dilema não é uma escolha entre dois tipos de dor física, dois tipos de humilhação pública ou dois tipos de abstinência sexual eterna, mas encerra sempre um conflito moral. Ora, o conflito moral realmente angustiante, cuja decisão tende a deixar uma ferida que não mais irá sarar, algo ao nível de A Escolha de Sofia, está praticamente ausente do podcast. Apesar das aparências,  "Uma nêspera no cu"  é o exemplo acabado da máxima retrógrada de que não se brinca com coisas sérias. 

07
Set16

Preferências


Eremita

Costumam perguntar às crianças, menos por malícia do que simples provocação, se gostam mais do pai ou da mãe. Verdadeira ou falsa, a resposta, como sabemos, nunca varia. As crianças desconhecem a sorte que têm. Porque aos pais de gémeas não chegam a perguntar nada, tal a vontade de interpretar como prova de preferência qualquer pequena diferença de tratamento, do comentário mais entusiasmado sobre uma à ausência da outra na foto enviada a parentes em que  surge a irmã. Ignoram que num pai existe um fortíssimo mecanismo de vigilância interna que mantém a contabilidade dos beijos dados a uma e a outra, dos minutos passados com elas ao colo, das vezes que cada uma, com um sorriso, uma careta ou um gesto inesperado, lhe deu gozo e da qualidade dessa sensação, medida em graus de prazer. Trata-se de uma vigilância permanente e implacável, servida por uma aritmética cega. Embora seguro de que ama as duas com a mesma intensidade, o pai inexperiente não se autoriza a amar de maneira diferente ou por motivos distintos, preferindo o conforto dos elementos de prova objectivos. Neste contexto, exclusivamente neste contexto,  a identidade genética das bebés deixa de ser uma dádiva de Deus para se revelar um desafio, quase uma tentação demoníaca.  

Pesquisar

Comentários recentes

  • Anónimo

    Vasco: diz-se agora na Visão que o teu amigo João ...

  • Anónimo

    ... guê de gugu, assim gadget.

  • Anónimo

    Adenda... ó Vasco: tal como o Galamba, o Siza, o C...

  • Anónimo

    Vasco, Vasco, Vasco.«Nós queremos ter Natal! E que...

  • Anónimo

    Off.Da série “Subsídios para um Dicionário Breve d...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D