Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

03
Mar11

Nesta última tarde em que respiro


Eremita

Nesta última tarde em que respiro
A justa luz que nasce das palavras
E no largo horizonte se dissipa
Quantos segredos únicos, precisos,
E que altiva promessa fica ardendo
Na ausência interminável do teu rosto.
Pois não posso dizer sequer que te amei nunca
Senão em cada gesto e pensamento
E dentro destes vagos vãos poemas;
E já todos me ensinam em linguagem simples
Que somos mera fábula, obscuramente
Inventada na rima de um qualquer
Cantor sem voz batendo no teclado;
Desta falta de tempo, sorte, e jeito,
Se faz noutro futuro o nosso encontro.



António Franco Alexandre
In Uma fábula
Assírio & Alvim, Editores

01
Mar11

O sentido da vida


Eremita

The eye in this city [Veneza] acquires an autonomy similar to that of a tear. The only difference is that it doesn't sever itself from the body but subordinates it totally. After a while - on the third or fourth day here - the body starts to regard itself as merely the eye's carrier, as a kind of submarine to its now dilating, now squinting periscope. Watermark, Brodsky

 

Não é a melhor das passagens. Aliás, o "to regard" parece-me mesmo um verbo muito mal escolhido para uma acção de um corpo sem olho. Noto apenas que sou cada vez mais sensível às descrições do modo como observamos. A passagem que mais me tocou em Moby Dick foram as descrições da visão do cachalote e agora surge este olho como lágrima embutida que toma conta do corpo.

 

É possível que exista uma lei da recapitulação para os sentidos; que o recém-nascido tacteie como uma amiba; que os primeiros sabores traduzam o aparecimento da boca nos deuterostómios a partir da segunda abertura embrionária; que o olfacto seja um atavismo reptiliano e a audição nos ligue aos cães; e que só quando a visão passa a dominar todos os sentidos fazemos coincidir a nossa vida com a nossa condição filogenética de primatas. Foi o que me aconteceu, talvez há um ou dois anos. O tempo em que o olfacto e o paladar eram poderosos mobilizadores de memórias já passou e sei que vou chegar à madeleine de Proust com uma década de atraso. Sinto-me absolutamente dependente da visão e da beleza das imagens. A ideia de cegar, sempre perturbadora, agora dá-me ataques de pânico. 

 

A vontade cada vez mais irreprimível de ver mulheres bonitas deve muito mais à hegemonia deste sentido do que ao desejo sexual. Deve algo também à esperança de uma projecção no futuro, como se só as imagens fossem capazes de me catapultar no sentido certo, ao contrário dos cheiros e sabores, que são catapultas apontadas para a rectaguarda. É claro que isto soa a ressalva, feita a décadas de distância, caso fique como um daqueles velhos decrépitos que se perdem em olhares pelas raparigas que passam na rua. 

Pág. 4/4

Pesquisar

Comentários recentes

  • Anónimo

    Eremita: pensava eu que o link era para as cenas d...

  • Anónimo

    chapada neles

  • Anónimo

    José Sócrates Gonçalves Carvalho Pinto de Sousa, v...

  • Anónimo

    Sempre , sempre mas mais ao são Gonçalves .Nelson

  • Anónimo

    Nelsinho: já rezaste hoje ao São José, ou ainda nã...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D