Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

25
Ago08

...


Eremita

 

Que rosto para Tatiana? Tem sido muito útil frequentar o Pingo Doce. Trata-se de um espaço sobredimensionado, à entrada da vila, que reproduz em Ourique a mesma sensação de total insignificância que experimentei nas grandes superfícies comerciais das cidades americanas. Curioso isto de ter sentido pela primeira vez a angústia da pequenez cósmica naqueles enormes supermercados, no IKEA de Nova Jersey, numa farmácia na periferia de algum subúrbio de alguma cidade de um certo estado (Florida?),  e não no planetário nacional onde me levavam quando criança, nem no que depois visitei pelo meu próprio pé, em Nova Iorque; só mesmo no Pingo Doce de Ourique recuperei a escala cósmica. Enfim, de lá trago também os dois litros diários de gaspacho de pacote - vivo a gaspacho e pão, o meu tracto intestinal é como uma viela de Buñol em perpétua última quarta-feira de Agosto (a Tomatina). Mas não trouxe ainda a Tatiana. Das 5 ou 6 empregadas com quem me cruzei, nenhuma tem um rosto passível de ser amado. O ficcionista pode dar-se ao luxo de ser tão cruel como o mais caprichoso playboy - e eu quero para Tatiana primeiro um rosto sublime e só depois a complexidade e as encruzilhadas da vida. Há uns dias, a rapariga que me atendeu esteve perto, mas faltava-lhe comprimento e altivez no nariz, que era abatatado. No regresso a casa, porém, cruzei-me com uma moça que me causou forte impressão. Voltei a vê-la dois dias depois e outra vez ontem, ao fim da tarde, sempre na mesma rua. Escusado será dizer que estou hoje com aquela batida de coração que, logo pela manhã (são 8 horas) inicia um crescendo que nenhum virtuoso seria capaz de imitar no seu instrumento, visto durar de nascente a poente, mas numa aceleração tão lenta que não chega a dar cabo de mim e ainda me deixa vivo se ela me falha um dia, apenas durmo mal. Não sei como o corpo consegue somatizar de forma tão eloquente - porque é ritmo e som - esta minha ansiedade, este desejo que parece rebentar comigo ao fim da tarde, quando a vejo,  e depois se apazigua antes de ela voltar a desaparecer, para só  durante o sono me minar o corpo outra vez, a fim de recomeçar a crescer no dia seguinte. Eu sabia que as cidades estão cheias destas armadilhas mas não antecipava que a mesma armadilha aqui pudesse ser tão mais inescapável. Deve ser da baixa densidade populacional. Ou de haver tantas velhinhas. Ou então é do ar quente, capaz de dar ao rosto desta mulher o rubor que a completa. Deuses (todos eles), arrisco a descrição (mas é favor multiplicar por mil o entusiasmo): parece genuinamente irritada com a vida, avançando resoluta - o que na vila não faz sentido e lhe dá alguma comicidade - e sem me conceder sequer um olhar. Os olhos são claros e mais rasgados que na portuguesa típica, sendo esse um dos sinais mais óbvios do seu encanto. Nariz fino, pouco comprido mas muito nobre. Tez clara, com o tal perpétuo rubor. Cabelo com corte afrancesado, liso, escuro, sem jeitos, porém forte. Boca discreta, sem os tais lábios húmidos, ou polposos, nem a pequenez pornográfica, mas que concentra e oferece toda a sensualidade do rosto, como uma goteira - foda-se, não gozem - recolhe e expulsa as chuvas do telhado. Ah, o rosto. O rosto parece ter sido desenhado por um Hugo Pratt num dia em que a preguiça e uma inesperada felicidade lhe arredondaram e abrandaram o traço firme e brusco. É que nesta mulher o anguloso se funde com feições de uma difusa maternidade, pelo que tanto me apetece levá-la para a cama como fazer-lhe apenas carícias, e não oscilo entre estes desejos, antes os experimento ao mesmo tempo. Tem ainda sardas,  tão difíceis de dosear e polvilhar como a mais potente das especiarias, mas que nela se distribuem com uma graça que  só me lembro de ter visto uma outra vez. Tatiana já tem fachada  - e eu preciso deste remate cínico porque não estou capaz de me apaixonar.

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Pesquisar

Comentários recentes

  • Anónimo

    A passagem que cita, assim desamparada, serve melh...

  • Anónimo

    Epá, está rolando aqui um clima? ❤️

  • caramelo

    És um cavalheiro. O honourable John Bercow já tinh...

  • Anónimo

    Ouviste o que diz o Eremita, Caramelo? Tem cuidado...

  • Anónimo

    Cuidado com as metáforas! Para o PAN essa metáfora...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D