Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

24
Jan10

IX


Eremita

John Coplans

 

10.04.08 Enquanto me secava, lembrei-me que os ecologistas classificam as relações entre indivíduos de espécies diferentes segundo uma lógica de custo e benefício. Na simbiose, o benefício é mútuo. No comensalismo, um é beneficiado e o outro não é muito incomodado. No parasitismo, um perde para que o outro possa ganhar. Não se podia ser mais claro. Mas consideremos o líquen. É o paradigma da simbiose, metade alga, outra metade fungo. Este recebe alimento daquela e retribui em protecção e humidade. Parece uma relação doméstica à moda antiga, em que o fungo é a mulher e a alga, a breadwinner, o homem. Os dois estão até condenados a viver um com o outro e os naturalistas, para não agitarem o sempre efervescente mundo da botânica, decidiram que esta seria uma "relação feliz". Só alguns, no estilo pica-na-merda, falam de hilotismo. O termo remete para os hilotas, o mais baixo estrato social da cidade soberana de Esparta, que eram propriedade do Estado e seriam - enfim - mais felizes do que escravos propriedade de cidadãos. Como se percebe, a matéria é menos consensual do que julga, mas ainda mais quando se pode saber a opinião dos intervenientes.

 

O pé de atleta é uma dermatofitose provocada por um fungo que se alimenta de células mortas queratinizadas e provoca lesões vesiculosas nos espaços interdigitais dos pés. O fungo estabelece uma relação física íntima com o homem e, para muitos, esta será a relação mais íntima e duradoura das suas vidas. Existe tratamento, mas é prolongado; o fungo pode manter-se para sempre entre os dedos, como um amor mal resolvido. Por vezes há sangue e quem vê as feridas não tem dúvidas em dizer que se trata de parasitismo, mas quantos homens, que as têm, não reconheceriam, sob anonimato, viver uma simbiose? O fungo come, o homem coça-se, o prazer nasce.

 

1 comentário

Comentar post

Pesquisar

Comentários recentes

  • Anónimo

    Bah... Até aqui esta nossa quezília estéril não me...

  • Anónimo

    Caramelo, meu lindo.Estás a pedir o quentinho do c...

  • caramelo

    Está certo, vejo que estás baralhado, mas a culpa ...

  • Anónimo

    Eremita Sei embora não por experiencia propria que...

  • Anónimo

    De facto, agora baralhou-me:1. Treslê cinicamente ...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D