Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

27
Nov09

Fibonacci


Eremita

 

Levar uma tampa é o contrário de estar morto, pois só quem tem vontade se põe a jeito para uma. Desde que aqui cheguei, praticamente deixei de experimentar a tampa. Com a Tatiana tenho o bom senso de nada tentar e só enviei um artigo de viagem inventada, que foi ignorado, o que - em rigor - não constitui uma tampa. Dos tempos em que vivia plenamente, ainda me lembro do denominador comum a todas as tampas. A tampa pode vir da nossa mãe, de uma mulher, de um vendedor de souk marroquino, de um editor, de um amigo que desmarca um jantar, mas a sensação é sempre a mesma na qualidade. O que varia na tampa é o grau e a variação pode ser terrível.

 

Seria ridículo dramatizar uma tampa em concreto. A tampa é apenas uma pequeníssima morte, muito menos terrível que as mortes em vida por falhas morais. Sucede que, por ser sensível a uma lógica de perdas e ganhos, a tampa depende do contexto e, nomeadamente, do historial de tampas. Uma sucessão de tampas é capaz de sentenciar um homem ao círculo vicioso da tampa, em que a última parece transportar todas as outras, ou então avivar a memória das - digamos - duas mais recentes, como se as combinasse. Neste último caso, escolhido para facilitar a exposição, mas generalizável, a intensidade da tampa cresce de uma forma avassaladora que é descrita pela sequência de Fibonacci. Antes da tampa, o indivíduo está no grau 0, com a primeira tampa passa ao grau 1, com a segunda mantém-se no grau 1, mas à terceira passa ao grau 2, depois ao 3, ao 5, 8, 13, 21, 34, 55, 89, 144... Para anular a série no momento em que a interrompo e restaurar o indivíduo, seria preciso uma vitória - ou a última de uma série - com uma intensidade que somasse os dois últimos graus (89+144). Infelizmente, apesar de esta série de ser recorrente na natureza, em certos indivíduos apenas as derrotas vão sendo registadas  da maneira que Fibonacci descreveu. Os corolários são inevitáveis: 1) qualquer tampa, ainda que insignificante na sua essência, pode ser a derradeira; 2) nenhuma série de vitórias, ainda que extensíssima, afastará destes indivíduos o espectro do ciclo vicioso da tampa. 

4 comentários

Comentar post

Pesquisar

Comentários recentes

  • Anónimo

    José Sócrates Gonçalves Carvalho Pinto de Sousa, v...

  • Anónimo

    Sempre , sempre mas mais ao são Gonçalves .Nelson

  • Anónimo

    Nelsinho: já rezaste hoje ao São José, ou ainda nã...

  • Anónimo

    Só não percebi se as aulas de artes marciais se...

  • Anónimo

    «... uma fé na capacidade transformadora do Estado...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D