Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OURIQ

Um diário trasladado

OURIQ

Um diário trasladado

11
Nov09

Robert Enke


Eremita

 

Sei mais nomes de jogadores de futebol que nomes de escritores, mas no grupo dos suicidas conto menos futebolistas do que escritores. Se penso com facilidade em Antero de Quental, Camilo Castelo Branco, David Foster Wallace, Hemingway, Jerzy Kosinski, Mário de Sá-Carneiro, Mishima, Primo Levi, Reinaldo Arenas, Sylvia Plath e Virginia Woolf, até hoje seria difícil avançar com o nome de um futebolista suicida. Não faltam futebolistas com biografias trágicas, mas até nisso se reforça a diferença entre os dois métiers, pois o  futebolista trágico parece apenas espelhar contingências e conjunturas, enquanto o escritor suicida parece cumprir um destino. Naturalmente, na Itália corrupta, Paolo Rossi fez-se aldrabão; na Colômbia violenta, o futebolista que falhou num campeonato do mundo foi baleado; no Brasil festivo, Garrincha cedeu à promiscuidade e à cachaça; no Portugal miserável, Vitor Baptista foi vencido pela pobreza e as drogas duras. Sim, o destino também se manifesta no futebolista, mas em regra como um azar, sem a mediação da consciência - Miklós Fehér morreu de ataque cardíaco no relvado. Só isto bastaria para fazer do suicídio de Robert Enke um evento raro. 

 

Por tendência natural, pelos minutos de passividade acumulados em campo ou pela crueldade do adepto, infinitamente mais generoso com os feitos do atacante e implacável com as falhas do guardião, não há casta de futebolista tão estóica e introspectiva como os guarda-redes. Mas tendo em conta os acontecimentos recentes na vida de Enke, insistir nestas trivialidades seria cruel e o modo mais canhestro de tentar uma explicação. Sendo de evitar a explicação, só nos resta a descrição. Ora, a raridade deste episódio é dupla:  a decisão de Enke ter decidido pôr um termo à sua vida e a sua execução. Enke não caiu de uns andares dentro de sua casa (Levi), não caminhou para águas profundas com lastro na roupa (Woolf), não se envenenou com estricnina (Sá-Carneiro), barbitúricos (Kosinski) ou outras drogas (Arenas), não ligou o gás do fogão (Plath), não pegou em armas de fogo (Antero, Camilo e Hemingway), não se enforcou (Wallace), nem praticou hairakiri (Mishima). O suicídio destes escritores foi genericamente doméstico, só que Enke resolveu matar-se na via pública, estacionando o carro sobre uma ferrovia. Se talvez haja intenção superior no segundo tiro de Antero, uma implacável resolução na caminhada de Woolf, uma agonia mais prolongada em Sá-Carneiro e uma ritualização mais impressionante em Wallace e Mishima, nenhum destes escritores optou por uma morte tão violenta como o embate com um comboio. E sobretudo, nenhum deles fez de um maquinista peça da sua engrenagem suicida. Na morte solitária dos escritores referidos está ausente a convocação forçada de um carrasco. É esta desumanidade que faz do suicídio de Enke um acto mais desesperado do que todos os outros. Com o exagero e a desproporção do impulso amador, Enke deixou a estranha impressão de ter querido mostrar aos profissionais como se faz. 

 

 

 

4 comentários

Comentar post

Pesquisar

Pub e serviços

Screen Shot 2019-04-07 at 17.13.03.png

”Screen

Comentários recentes

  • Anónimo

    Esse seu professor de medicina veterinária devia i...

  • marina

    o escritor que melhor encarna a França de hoje? o...

  • caramelo

    Tenho quase a certeza que concordo absolutamente, ...

  • Lowlander

    Pois amigo anonimo... vamos la a ver entao:Mesmo d...

  • Anónimo

    "A Humanidade consome proteina animal porque esta ...

Links

WEEKLY DIGESTS

BLOGS

REVISTAS LITERÁRIAS [port]

REVISTAS LITERÁRIAS [estrangeiras]

GUITARRA

CULTURA

SERVIÇOS OURIQ

SÉRIES 2019-

IMPRENSA ALENTEJANA

JUDIARIA

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D