Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ouriquense

13
Mai17

Um fanático calculista

Eremita

Hoje, no Expresso, Henrique Raposo volta a esmagar o leitor com a sua fé e as suas citações da Bíblia, usando como pretexto a reconversão de Clara Ferreira Alves. Raposo não é um reconvertido, é um ateu que se converteu aos 35 anos. Como bom católico, o cronista dá provas de uma pungente humildade, ao diminuir a sua fé quando comparada com a fé de quem foi doutrinado desde a infância. Diz ele que lhe falta o "sexto sentido", que a sua fé é muito intelectualizada. Não surpreende. Raposo já tinha dado vários sinais de que chegou à fé por calculismo, para compor o seu boneco mediático, porque o catolicismo fica a matar num jovem conservador de origem humilde que procura o contraste extremo com o egoísmo e a arrogância ateístas da pós-modernidade. Num país culturalmente católico, que junta meio milhão de pessoas em Fátima e gera uma cobertura mediática só equivalente à de um Europeu ou Mundial de futebol, que ainda não aprendeu a separar bem a Igreja do Estado, que tem uma estação de rádio e uma universidade católicas (ambas influentes), intelectuais católicos a perorar de todos os púlpitos mediáticos, incluindo padres (como o estimável Anselmo Borges, o ubíquo e venerado Tolentino Mendonça, o simpático Bento Domingues ou o inenarrável* Gonçalo Portocarrero de Almada), e em que algumas das mais relevantes figuras públicas são católicos convictos (o Presidente da República e Fernando Santos, por exemplo), Raposo, que escreve no Expresso e fala na Renascença, consegue ver-se como um "cultural warrior" (expressão cara a Bill O'Reilly, ex-apresentador da Fox News) e imagina-se um herói ao afirmar-se em público como católico. Naturalmente, esta percepção explica-se pela perda de influência do catolicismo, que é inegável mas exacerbada por Raposo para criar uma fantasia conveniente, pudesse ele livrar-se do ridículo e da constatação de que é incapaz de aceitar mundividências diferentes da sua, por ele sempre caricaturadas em jeito de desafio.

 

Enfim, admito com embaraço o meu fascínio pelo pensamento esquemático e reactivo desta criatura. Há umas semanas, num longo texto, Raposo escreveu que não sente o apelo de Fátima e que a lógica contratual do pagamento de promessas o irrita, para depois nos dizer que aceita Fátima como uma porta de entrada no catolicismo que ele estima, que é o do Livro, sem lhe ocorrer que a lógica contratual sempre foi a essência de uma organização que publicita a vida eterna e inventou o confessionário, um guichet em se compra o alívio de consciência pela prática de uns rituais.

 

Talvez a grande diferença entre o reconvertido e o convertido não esteja no "sexto sentido". O reconvertido parece-me alguém pacificado com a sua decisão, enquanto o convertido, eventualmente pressionado pela síndrome do impostor, ganha uma insuportável pulsão evangelizadora. Que alguém explique a Henrique Raposo o seguinte: no peito dos ateus também bate um coração; eles têm angústias que vão além do materialismo e pressentem algum "mistério", mas percebem que seria contraproducente congregar gente em torno da ideia da inexistência de Deus, uma figura que lhes parece supérflua como mediador da solidariedade e empatia entre os homens, e facilmente manipulável por alguns em proveito próprio, pelo que não se deixam conquistar por explicações confortáveis e preferem carregar o peso da finitude da existência a abdicar da razão, sem que por isso sejam escravos de algum cientismo. Expliquem-lhe, mas sem grandes esperanças, pois o Raposo, deformado por anos de colunismo, não se dá bem com as nuances e continuará a exibir o seu catolicismo de conveniência e a sua biografia ficcionada.

 

* Sugestão de Xilre. 

 

 

5 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Blogs

Cultura

Ajude Fausto:

  • Uma votação em curso

Ouriquense, S.A, Redacções por encomenda

Séries

Personagens ouriquenses

CineClube- programação

  •  

Filmes a piratear

  •  

Filmes pirateados

Alfaias Agrícolas

Apicultura

Enchidos e Presuntos

Pingo Doce

Imprensa Alentejana

Portal ucraniano

Guitarra

Judiaria

Tauromaquia

Técnicas de homicídio

John Coplans

Artes e Letras

Editoras Nacionais

  •  

Literatura Russa

Leituras concluídas

Leituras em Curso

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D