Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ouriquense

13
Mar17

O fim dos homens

Eremita

Screen Shot 2017-03-12 at 12.44.03.png

 

 

Em 1894, o famoso físico Albert Michelson concluiu que a Física esgotara as grandes descobertas que havia a fazer, nada mais restando à disciplina do que a tarefa de acrescentar casas decimais às constantes conhecidas; em pouco mais de uma década, o mundo conheceria o génio de Einstein e depois a revolução da Física Quântica. Também se pensou que a rádio iria matar o romance, mas o romance sobreviveu e tem tido uma curiosa carreira de serial victim, pois, a seguir à rádio, acumulou como carrascos a televisão e o digital, persistindo ainda por aí, dando inclusive a José Rodrigues dos Santos uma oportunidade de fazer fortuna e a Gonçalo M. Tavares um invejável capital social. E em 1989, embriagado com o fim da Guerra Fria, Francis Fukuyama decretou o fim da História, no sentido em que nenhuma forma de organização política iria superar as democracias liberais em sociedades capitalistas, mas a mais recente crise financeira e os movimentos populistas na Europa parecem minar o sistema por dentro e, em todo o caso, o mundo continua animado e imprevisível. Aliás, a dar crédito a algum dos profetas do apocalipse, dos Maias a Nostradamus, sem esquecer Pedro Passos Coelho, a simples existência do mundo causa algum desconcerto. Decretar o fim de algo é um exercício de poder ao alcance de todos a que ninguém resiste, apesar da lição da História, que, por uma vez, é inequívoca.

 

Esta semana, no Público, ainda na esteira do dia internacional da mulher celebrado a 7 de Março, António Guerreiro (AG) entendeu escrever sobre o fim dos homens. Este tópico não é novo, mas pensava que tinha já amadurecido o suficiente para não ser ilustrado com a cena de canibalismo conjugal pós-copulatório em que a fêmea de Louva-a-deus devora o macho que a fecundou ou algum cenário distópico à Doris Lessing em que as mulheres descobrem uma forma de induzir a partenogénese e nascimentos de apenas de meninas, livrando-se para sempre do seu opressor milenar. AG não chega a tais extremos, mas fica perto, ao transformar em profeta Valerie Solanas, uma feminista radical. Quando um homem disserta sobre o fim dos homens, ao gozo de decretar óbitos junta o prazer da autodepreciação. É irresistível, reconheço. 

 

Com a possível excepção da regulação do poder parental, nas sociedades ocidentais os homens não são vítimas de nenhuma discriminação injusta. Naturalmente, os factos não impedem o nascimento de movimentos e opiniões de que estamos a caminhar para uma "feminização" da sociedade. Que esta ideia faça as delícias de polemistas como os franceses Alain Soral e Éric Zemmour e ainda de Pedro Arroja e dos seus acólitos, não surpreende. É mais estranho vermos AG a pegar no tema, mesmo sendo o seu tom lacónico e nada panfletista, nem atribuindo ele à "feminização" da sociedade a carga pejorativa dos outros autores, limitando-se a uma constatação. O problema de AG neste exercício de estilo sobre o fim dos homens é ter partido do princípio de que os seus leitores o interpretariam com a dose de ironia e ligeireza necessárias.  

 

 Continua. Lenha para rachar e trabalhos no sistema de irrigação da horta adiam a conclusão desta intervenção.

2 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Blogs

Cultura

Ajude Fausto:

  • Uma votação em curso

Ouriquense, S.A, Redacções por encomenda

Séries

Personagens ouriquenses

CineClube- programação

  •  

Filmes a piratear

  •  

Filmes pirateados

Alfaias Agrícolas

Apicultura

Enchidos e Presuntos

Pingo Doce

Imprensa Alentejana

Portal ucraniano

Guitarra

Judiaria

Tauromaquia

Técnicas de homicídio

John Coplans

Artes e Letras

Editoras Nacionais

  •  

Literatura Russa

Leituras concluídas

Leituras em Curso

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D