Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017
Segunda-feira, 27 de Fevereiro, 2017

[republicação com menos gralhas; primeira publicação a 21.02.2017]

Fátima-13-outubro-1917.jpg

Foto de 13 de outubro de 1917, mostrando testemunhas do "milagre do sol". Foto D.R

 

 

No Público, António Araújo, o estimadíssimo blogger que assina o Malomil, tenta a quadratura do círculo que é manter viva a possibilidade dos milagres de Fátima sem abdicar do cepticismo. Como seria de esperar, Frei Bento Domingues aplaudiu. Eu nem queria entrar neste debate, mas meu ateísmo despertou da sua longa hibernação e agora é pior do que uma criança embirrenta, não me deixa em paz. Desenvolverei em horário pós-laboral. 

 

-------------------

 

partir de uma recensão de Fátima – Milagre ou Construção?, de Patrícia Carvalho, António Araújo (AA) revê a bibliografia sobre o tema e cita José Barreto (Religião e Sociedade, 2002, pág. 65), para frisar que chegou o tempo de “desarmar o velho e com frequência estéril debate sobre a autenticidade (sobrenaturalidade) das aparições reconhecidas pela Igreja" e "evidenciar a pertinência do seu estudo sob uma variedade de outros ângulos”. Os ângulos serão múltiplos. É possível reflectir sobre Fátima enquanto fenómeno antropológico, sociológico e fazer até uma historiografia da historiografia de Fátima. O que causa alguma perplexidade é a aparente necessidade que AA sente de manter no ar a possibilidade de ter havido um milagre. Excluindo o desejo natural de não ser confundido com um panfletista anticlerical e um respeito algo paternalista pelos crentes, não se percebe por que motivo AA não arrumou a patranha do milagre de Fátima num parágrafo, até porque a "variedade de outros ângulos" ganharia em espectacularidade se se assumisse, como recomenda o bom senso, que Fátima está assente numa mentira.

 

Em jeito de ressalva, adianto que não li - nem conto ler - um único livro sobre o dito milagre de Fátima; tudo o que escreverei neste texto tem por base passagens e citações que aparecem no texto de AA e mais um ou outro dado que apanhei de ouvido nesta conversa com Patrícia Carvalho. Esta minha ignorância é instrumental, pois reparo que quanto mais uma pessoa lê sobre Fátima, mais se afunda num irresistível vórtice de caudal palavroso. Do princípio ao fim, Fátima é um "evento de palavras" (AA cita Paolo Apolito), talvez demasiadas. Porque, salvo erro grosseiro da minha parte, o essencial resume-se em poucas linhas: as bases empíricas do milagre de Fátima são apenas relatos incongruentes, nomeadamente os dos três pastorinhos, com destaque para Lúcia, que tinha 10 anos no dia da suposta aparição, e a quem a mãe - que nunca acreditou no milagre -  "lia a obra devocional Missão Abreviada (1859), do padre Manuel Couto, onde se fala das aparições de La Salette, e de quando dois pastorinhos franceses viram 'Nossa Senhora no meio da luz mais brilhante'", e em vários relatos de crentes já condicionados pelos relatos dos pastorinhos e predispostos a não tirar os olhos do Sol até verem um sinal qualquer. Em suma, Fátima é uma construção cujos alicerces são testemunhos fantasiosos de crianças e de crentes predispostos a acreditar, que a Igreja instrumentalizou com mestria. Esta é a interpretação mais óbvia, que não tem nada de anticlerical. Mas AA seguiu outro caminho. 

 

"Escrever sobre Fátima é tão insensato como não fazê-lo", não é só a bela frase de abertura do texto de AA, mas a primeira de várias falácias (obviamente, é muito mais insensato escrever sobre Fátima) a que AA recorre para manter no ar a dúvida sobre o milagre. Faça-se justiça a AA. Ao longo do texto, o autor frisa que as evidências "não satisfazem os critérios da veracidade histórica" e que "fora da órbita confessional" as interpretações apresentadas pelos apologistas de Fátima não podem ser aceites. Mas vejamos estes três argumentos:

 

1. "Todavia, do mesmo modo que o “estremecimento da alma” que sentimos ao ver a Procissão do Adeus não deve ser determinante para acreditarmos nas aparições, o facto de Fátima se ter tornado uma “monótona feira de mau gosto” não se afigura decisivo quer para favorecer a crença quer para confirmar a descrença".

 

Sem dúvida. Mas alguém argumenta que o milagre não existiu porque Fátima se tornou uma "monótona feira de mau gosto"? 

 

2. "... se uma listagem das “aparições” pode descredibilizar Fátima, levando a supor que as aparições da Cova da Iria pouco diferem de centenas de fenómenos semelhantes, também pode sustentar-se, nos antípodas, que a marca do reconhecimento oficial a singulariza e distingue em face de manifestações que só na aparência lhe são próximas."

 

AA força a incerteza traçando outra bissectriz de um ângulo irrelevante. O milagre de Fátima continuaria a ser altamente improvável se não houvesse mais aparições. E a "marca do reconhecimento oficial" de nada vale, tendo em conta o historial da Igreja e o uso ritualizado que faz dos métodos científicos. 

 

3. ... não é possível figurar as reservas originais a Fátima como peça de uma estratégia preconcebida de credibilização e propaganda; que esse cepticismo originário seria mais tarde alvo de aproveitamento, disso não há dúvida – mas também não pode duvidar-se de que, por uma razão ou outra (inclusive, razões políticas, no quadro hostil da Primeira República), a Igreja teve uma atitude inicial de moderação e prudência no tratamento das “visões” dos pastorinhos. Simplesmente, daí não deve, uma vez mais, extrair-se qualquer ilação, positiva ou negativa, quanto à veracidade das aparições da Virgem.

 

Aqui AA perde-se em teorias da conspiração que, de novo, em nada contribuem para averiguar da veracidade do milagre. 

 

Estes três argumentos são particularmente curiosos porque é o próprio AA quem condena a impugnação do alegado milagre a partir de elementos que lhe que são "extrínsecos". Pelos vistos, o que se pode fazer é recorrer a elementos extrínsecos para alimentar a dúvida. A pergunta que fica é: não serão extrínsecos os elementos que levam AA a suspender a sua descrença de base em relação ao milagre de Fátima mas não a toda uma série de patranhas que vem documentando com graça inigualável no seu blog Malomil, como as crianças índigo? Não serão os elementos extrínsecos - isto é, a construção - essenciais à consolidação e persistência dos mitos fundadores? É bem possível que não valha hoje a pena discutir a veracidade de Fátima, como não vale a pena discutir a existência de Jesus enquanto figura histórica, pela falta de elementos, pela natureza do debate, que será sempre inconclusivo, pois é muito difícil provar formalmente que algo não existiu e há uma grande predisposição para acreditar em milagres, e ainda pelas enormes construções - um culto e uma religião - que se ergueram a partir de alegados factos. O cristianismo, há muitos séculos, e muito provavelmente também já Fátima têm uma existência que não depende de provas materiais. Nesse sentido, sim, vale a pena avançar para outros planos, mas sem que o arquivamento do debate sobre a veracidade do milagre venha acompanhado por uma série de argumentos ofuscadores e seja interpretado como uma desistência por parte dos cépticos. Um ateu não praticante pode aceitar o arquivamento e ser sensível à sofisticação teológica de Ratzinger e Bento Domingues, que privilegiam a "perspectiva do vidente" e enquadram as visões como estando sujeitas às “possibilidades e limitações do sujeito que as apreende”, mas só por ingenuidade não veria tais interpretações como uma forma de legitimar testemunhos. 

 

Em suma, a argumentação de AA sugere que estamos perante um impasse no que toca à veracidade do milagre de Fátima, como se houvesse tantos bons argumentos a favor como argumentos contra. Esta contabilidade está, como é óbvio, errada. Mas há mais. Ao belo adágio “tudo o que é recebido, é-o com os meios de quem recebe” (Tomás de Aquino), citado por AA, devemos responder com o oportuno "extraordinary claims require extraordinary evidence" (Carl Sagan). Porque quando lemos AA, parece que o alegado milagre de Fátima é um acontecimento trivial que está apenas em dúvida pela inexistência de provas irrefutáveis. Ora, a fraqueza das provas explica apenas um pouco da nossa incredulidade, pois a natureza do alegado fenónemo, da ordem do sobrenatural, desafia a razão. Conclui AA: 

 

Mas, acima de tudo, o Santuário recebe anualmente milhões de cidadãos anónimos, que aí vão pelos mais diversos motivos. Por razões íntimas, pessoalíssimas, que a cada qual dizem respeito, e como tal, devem merecer o respeito de todos. Mesmo dos que não crêem em Deus ou não são católicos; ou dos que, sendo-o, não acreditam nas aparições de Fátima e na sua mensagem. Mas não será o respeito pelos outros, crentes e não-crentes, a principal mensagem de Fátima e o seu maior desígnio?

 

Creio que a História, acima de tudo, deve respeitar a verdade, independentemente as convicções pessoais de cada um. Que Fátima receba anualmente milhões de cidadãos ou ninguém é um elemento extrínseco que nada nos diz sobre a veracidade do tal milagre e todos os elementos de que dispomos sugerem que, com toda a probabilidade, o milagre não existiu. Um ateu não praticante não se incomoda com Fátima, pois sabe que alguma forma de religião será sempre importante para alguns. Mas a entronização do milagre de Fátima só pode ser vista como um misto de vitória na secretaria e progressão na carreira por antiguidade, ou seja, sem qualquer mérito. 

 

 

 

 



Eremita às 10:34
# | comentar

1 comentário:
De escrever como? a 14 de Março de 2017 às 14:10
Muito interessante e bem argumentado.
Só uma dúvida: em que parte da mensagem de Fátima está o respeito pelos crente e não crentes, pela tolerância?


Comentar post

.pesquisar neste blog
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
14
15
17

22
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Marcação homem a homem

. Dijsselbloem dixit

. "Agustina já não vende"

. Estilo e catarse

. Tough call

.arquivos
.tags

. todas as tags

.links
.subscrever feeds