Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ouriquense

30
Jun16

O grão de areia na engrenagem

Eremita

 

Nos últimos tempos, tenho ouvido alguns intelectuais públicos brasileiros, sobretudo através do Youtube. A motivação inicial foi a crise política que o Brasil atravessa, mas agora escuto apenas palestras sobre História e Filosofia dadas por esses intelectuais para o grande público. Não confirmei a minha conclusão com brasileiros, mas arrisco afirmar que quatro intelectuais dominam este universo muito particular: Mário Sérgio Cortella, Clóvis de Barros Filho, Leandro Karnal e Luiz Filipe Pondé. São todos homens de vasta cultura e eloquência, com idiossincrasias: Cortella, um grande contador de histórias, periodicamente remata a frase subindo a última sílaba um tom, o que dá uma musicalidade especial ao seu discurso; Clóvis é o mais histriónico e adora os crescendos retóricos; Pondé, o típico intelectual de direita que quer retirar à esquerda o monopólio da virtude. Dos quatro, o mais fascinante é Karnal - e não apenas pelo apelido. Este professor de História, que parece ter lido todo o cânone ocidental literário e filosófico, dá umas palestras com um apuro formal que é raro encontrar, inclusive entre professores da Ivy League americana ou do Collège de France. A mensagem impressiona-me menos, sobretudo nas palestras em que Karnal perora sobre ética como um pastor laico ou sobre redes sociais como se não estivesse apenas a dizer banalidades embrulhadas em jargão da sociologia ("modernidade líquida" e afins). Mas mesmo nessas palestras a sua técnica impressiona: domínio total da plateia, gestão dos silêncios, humor cirúrgico, pensamento encadeado, factos transmitidos com grande segurança e no limite do que começaria a ser uma exibição gratuita. Como a língua materna nos protege das comparações com pessoas mais eloquentes do que nós que se expressam noutro idioma, para o meu fascínio contribuía ainda o facto de Karnal falar em português. Não contribui mais? Hesito. Esta semana, ouvi Karnal (ver este vídeo a partir de 1' 41'') a descrever Edward Said, o famoso orientalista, como um "professor em Londres". Não é verdade, pois Said foi professor na Columbia University, em Nova Iorque. O erro é irrelevante, tanto para a tese que Karnal expunha como para a ordem mundial, mas a imagem de infalibilidade que este historiador construiu funcionou como uma caixa de ressonância que deixou este erro a ecoar na minha cabeça. Subitamente, a grande cultura de Karnal deixou de se confundir com o cosmos e passou a corresponder à soma de tudo o que ele sabe com tudo o que pensa que sabe e tanto ele como eu desconhecemos. Naturalmente, sendo esta segunda parcela imensurável, torna-se incomensurável. E não há uma deontologia do fã que nos guie nestes momentos difíceis. 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Blogs

Cultura

Ajude Fausto:

  • Uma votação em curso

Ouriquense, S.A, Redacções por encomenda

Séries

Personagens ouriquenses

CineClube- programação

  •  

Filmes a piratear

  •  

Filmes pirateados

Alfaias Agrícolas

Apicultura

Enchidos e Presuntos

Pingo Doce

Imprensa Alentejana

Portal ucraniano

Guitarra

Judiaria

Tauromaquia

Técnicas de homicídio

John Coplans

Artes e Letras

Editoras Nacionais

  •  

Literatura Russa

Leituras concluídas

Leituras em Curso

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D