Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ouriquense

11
Jun17

A morte do escritor

Eremita

Na semana passada, a morte do poeta Armando Silva Carvalho coincidiu com uma jornada excursionista de jornalistas da imprensa, da rádio e da televisão, promovida pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, à aldeia de Estevais, para apresentação de um livro sobre Trás-os-Montes, de José Rentes de Carvalho. (...) Comparada com a generosidade jornalística a que esta excursão étnico-literária teve direito, a morte de um dos nossos grandes poetas contemporâneos teve uma repercussão escassa, demasiadamente escassa. (...) Esta comparação subentende uma queixa, mas devo dizer que só a formulei para dizer a seguir que é uma queixa sem razão. E baseio-me nas palavras sábias de um grande poeta e ensaísta alemão, Hans Magnus Enzensberger, que escreveu em 1988 um artigo que se chama O grau zero dos media ou porque é que todas as queixas contra a televisão são sem objecto. São sem objecto, escreveu Enzensberger, porque consistem em criticar a televisão em função do que ela não é, como se não estivesse a cumprir a sua missão. (...) Que direito temos nós de lhe atribuir uma tarefa que não está no horizonte das suas promessas? Fazer dos media o alvo de todas as críticas, a propósito de matérias das quais eles se alhearam há muito, é errar o alvo e uma perda de tempo. António Guerreiro, Público

Com alguma periodicidade, António Guerreiro oferece-nos crónicas de pendor algo niilista que valem como exercício de estilo. Pressente-se que Guerreiro não acredita verdadeiramente nas "palavras sábias" do ensaísta mencionado. A crítica pressupõe uma ideia (um modelo) daquilo que o objecto que se critica deveria ser, o que coloca vários problemas ao crítico, da irredutível subjectividade à incapacidade de reparar nos raríssimos casos em que o objecto reinventa o modelo, mas recusar uma idealização seria abdicar da crítica. Sem perder muito tempo com a comparação a José Rentes de Carvalho, um escritor que Guerreiro parece desprezar, a pergunta que fica é: a morte de Armando Silva de Carvalho teve uma repercussão escassa? Qual o termo de comparação? A morte de Mário Soares? A de algum outro poeta - estamos todos a pensar no mesmo - recentemente desaparecido? Ou resultará a expectativa de Guerreiro do pressuposto de que, entre todas as vocações que deixam legado para o grande público, é o escritor quem mais namora em vida a imortalidade, pelo que o momento da sua morte é crucial para se avaliar da intemporalidade da obra? Não sabemos, mas é raro ouvir-se o lamento pela repercussão escassa da morte de um cientista, jurista, político, etc. Não há nada mais habitual do que morrer no esquecimento, mas no caso do escritor dá direito a notícia, lamento e até indignação. Se alguém tiver dúvidas, recomendo a leitura de Pensar, do Vergílio Ferreira que pressentia já a chegada da morte. 

 

Que repercussão nos media teve a morte de Armando Silva Carvalho? Os artigos mais longos foram os do Público, (reproduzido pela Assírio e Alvim) e do "i",  que publicou um testemunho de José Manuel Vasconcelos. Houve artigos mais curtos no DN (reproduzido pelo Centro Nacional de Cultura) e na revista Sábado, bem como várias notas publicadas na imprensa ou nas páginas de instituições, a saber: a Associação de Professores de Português, o Avante!, o Círculo da Inovação, o DGLAB, o Diário de Leiria, o DGLAB, o e-Global, o Esquerda.net, o Expresso, o Instituto Camões, o Jornal da Caldas, o Jornal do Luxemburgo, o Jornal de Mafra, a Lux, o Net Madeira, o Notícias ao Minuto, o Óbidos Diário, o Observador, a Rádio Cruzeiro, a Rádio Renascença, o Redator, o Tomar TV e uma referência en passant no Macau Hoje. Houve também comunicados: da Presidência da República, do Ministro da Cultura e da APE. Os blogs que reagiram com textos originais, citações dos artigos de imprensa ou publicação de poemas do poeta foram: ArposeAté ao FimAntologia do EsquecimentoO Bicho das LetrasCompanhia de Insegurosblog de Luís Soares, Da LiteraturaLvsiosO Melhor AmigoModo de Usar & co.No País da MagiaOlá BibliotecaProsimetronQue Fazer Desta SebentaRuas com HistóriaSomos LivrosA Viagem dos Argonautas e Voar Fora da Asa. Não frequento as redes sociais para poder ser mais exaustivo neste levantamento. É pouco? É justo? Armando Silva Carvalho merecia manchetes e abertura nos telejornais? Um Ípsilon especial inteiramente dedicado à sua obra? 

 

Portugal tem mais astrólogos do que astrónomos* e poetas do que leitores de poesia. Qual a dimensão da comunidade de verdadeiros leitores de poesia em Portugal? 5 mil? Não chegará seguramente aos 50 mil. Que importância social tem hoje a poesia? Contra mim falo, pois não o suporto, mas que outro poeta depois de Manuel Alegre marcou uma geração? Que poemas escritos depois de Cântico Negro, de José Régio, sem a boleia de uma canção, se declamam por aí de cor nas noites de boémia? Alguém duvida que, daqui a 200 anos, do século XX sobrarão Fernando Pessoa e talvez Herberto Helder, sendo todos os outros hoje tidos por relevantes remetidos para antologias colectivas, trabalhos de académicos, os alfarrabistas do futuro e as bibliotecas de meia dúzia de literatos enciclopédicos?

 

Nada tenho contra Armando Silva Carvalho, antes pelo contrário; li com enorme prazer e fascínio o livro (de prosa epistolar) que escreveu a meias com Maria Velho da Costa. Mas hoje, quando morre um escritor, impõem-me um peso na consciência que me leva a querer adquirir a obra completa do defunto. Esta mania de que estamos permanentemente em falta com os nossos escritores, alimentada por afinidades electivas e matreirices de livreiro, tem de acabar. Não há literalmente tempo para tanta dar atenção a tanta gente, entre mortos, vivos e obras que alguém se lembra de ressuscitar. Nem tempo, nem dinheiro, nem ansiolíticos. 

 

A repercussão da morte do editor Vitor Silva Tavares foi escassa, pelo menos para mim. A repercussão mundial, em Espanha e em Portugal da morte de Paco de Lucia, um génio absoluto, foi escassíssima, pelo menos para mim. Mas o que significa isto? Apenas que a estima de quase todas as pessoas por estas duas criaturas excepcionais fica muito aquém da minha, o que é imensamente gratificante. 

 

* A autoria da fórmula "mais astrólogos do que astrónomos" é, salvo erro, de Carl Sagan.

 

 

4 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Blogs

Cultura

Ajude Fausto:

  • Uma votação em curso

Ouriquense, S.A, Redacções por encomenda

Séries

Personagens ouriquenses

CineClube- programação

  •  

Filmes a piratear

  •  

Filmes pirateados

Alfaias Agrícolas

Apicultura

Enchidos e Presuntos

Pingo Doce

Imprensa Alentejana

Portal ucraniano

Guitarra

Judiaria

Tauromaquia

Técnicas de homicídio

John Coplans

Artes e Letras

Editoras Nacionais

  •  

Literatura Russa

Leituras concluídas

Leituras em Curso

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D