Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ouriquense

06
Fev17

A influência da ansiedade

Eremita

Tenho um carinho de tipo corporativo por académicos em que é grande o desajuste entre a tese e o exemplo apresentado para a sustentar. Se há toda uma literatura que pode ser explicada pela ansiedade da influência, isto é, a ideia (cristalizada por Harold Bloom) de que cada escritor sente o peso dos escritores que o precederam, existe também uma literatura que se explica pela influência da ansiedade. Que esta brincadeira com as palavras não nos distraia: percebe-se que o autor está mais refém da sua ansiedade de partilhar ideias que o habitam (influência da ansiedade) do que da reputação de autores passados (ansiedade da influência) quando recorre à actualidade para as catapultar o mais longe possível, falhando de modo absurdo, como quem arma a catapulta com um fardo de algodão.

 

silence-movie5-1024x576.jpg

O caso mais recente, que roça o paroxismo, é o de uma crítica de José Miguel Pinto dos Santos a Silêncio, o último filme de Martin Scorcese, no cada vez mais incontornável Observador. Para não complicar a discussão, aceitemos que vivemos num tempo novo, marcado pela "pós-verdade", ainda que a propaganda e a mitificação actuais não sejam novidade (pensemos no amor cego dos intelectuais do Ocidente pela União Soviética). Ora, a "pós-verdade" é a catapulta de Pinto dos Santos. O que há de extraordinário no artigo é o autor interpretar o acto de ficcionar parte de um episódio histórico como um sinal de que a "grande falha civilizacional hoje é epistemológica". Qual foi o crime de Scorcese e de (creio) Shūsaku Endō, que escreveu o romance em que se baseia o filme? Escreve Pinto dos Santos:

"... é lamentável que (...) [se tente] sub-repticiamente passar por realidade o que não passa de ficção usando uma técnica ardilosa: juntando a um [sic] personagem histórico de carne e osso duas figuras fantasiosas de padres que nunca existiram. O autor poderia ter escrito a mesma estória sem lá ter posto o personagem histórico Cristóvão Ferreira e a novela seria só novela; também poderia ter feito um relato fatual, com o [sic] personagem histórico Cristóvão Ferreira acompanhado de outros personagens históricos, como Chiara ou Cassola, e teria então escrito História. Mas escolheu misturar tudo."

Parece, então, que misturar factos e ficção é um pecado e um pecado do nosso tempo, o que nos levaria a concluir que o relato de Fernão Mendes Pinto, só para não sairmos do Japão, onde decorre a acção de Silêncio, é absolutamente fiel aos factos ou então pura ficção. Enfim, a opinião de Pinto dos Santos só pode mesmo ser explicada pelo fenómeno da influência da ansiedade. Enquanto a ansiedade da influência é um fenómeno global, a influência da ansiedade caracteriza sobretudo culturas periféricas pouco habituadas aos holofotes. Tendo antes escrito um artigo de História algo obscuro sobre os Jesuítas no Japão do século XVII, que aproveitou - e bem - para divulgar no seu texto no Observador, seria injusto e primário ver na ansiedade de Pinto dos Santos um desejo de protagonismo. O que a sua ansiedade denuncia é um desejo de recuperar aquilo que ele julgava pertencer-lhe por mais ninguém o reclamar, como se o usucapião também se aplicasse às ideias. Desta vez foi Pinto dos Santos, mas qualquer académico honesto vos diria que calha a todos. 

 

 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Blogs

Cultura

Ajude Fausto:

  • Uma votação em curso

Ouriquense, S.A, Redacções por encomenda

Séries

Personagens ouriquenses

CineClube- programação

  •  

Filmes a piratear

  •  

Filmes pirateados

Alfaias Agrícolas

Apicultura

Enchidos e Presuntos

Pingo Doce

Imprensa Alentejana

Portal ucraniano

Guitarra

Judiaria

Tauromaquia

Técnicas de homicídio

John Coplans

Artes e Letras

Editoras Nacionais

  •  

Literatura Russa

Leituras concluídas

Leituras em Curso

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D