Domingo, 5 de Março de 2017
Domingo, 05 de Março, 2017

Maria Gabriela Llansol actuou com uma linguagem que se aproxima da escrita alucidada mas que se reconduz a uma autoridade profética de quem tem uma capacidade única e demiurga para ler o que os místicos traçaram, numa espécie de linha sensível destinal que a levaria, mais tarde, a ser lida e compreendida. A crítica e os pares juntaram-se para a festividade de uma escritora - e aqui as comparações apareceram: "muito maior" do que Pessoa, afirmava Hélia Correia - que, apesar da demonstração de humildade conventual da sua escrita incólume e sem pecado, atingiu as esferas onde o elogio permanente, definitivo, obrigatório e sem excepção domina. Criou uma áurea ilimitada que garante aos admiradores leitores que a literatura dita portuguesa tem uma escritora "superior a Pessoa". A festividade faz esquecer a análise da literatura da escritora que se instalou num nível intocável. Alberto Velho Nogueira

 

João Barrento, no seu livro A Chama e as Cinzas, e Alberto Velho Nogueira, no blog Homem à Janela, analisam de forma distinta a produção romanesca lusitana das últimas décadas do século XX. Lê-los praticamente ao mesmo tempo, num exercício de leitura comparada, é uma fonte de prazer, mesmo considerando as dificuldades conceptuais e até oculares colocadas pela escrita de AVN, densa e de mancha compacta em fundo escuro. Não desistam à primeira.



Eremita às 20:19
# | comentar

.pesquisar neste blog
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
14
15
17

22

26
28
29
30
31


.posts recentes

. Provavelmente uma mulher

. A imaginação catastrofist...

. Homens que lêem Agustina

. O podcast da semana

. Marcação homem a homem

.arquivos
.tags

. todas as tags

.links
.subscrever feeds