Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ouriquense

28
Fev12

Espelho nosso

Eremita


É por volta dos 18 meses que o bebé começa a reconhecer-se ao espelho. Felizmente, a natureza funciona - se não tivesse feito com que não nos lembremos desses primeiros 18 meses, a busca do momento em que o espelho volta a devolver a imagem de um estranho tomaria conta de mim. Mesmo assim, já dei comigo a tentar surpreender o espelho, virando-me para ele de repente, em busca daquele fulano que se esquiva entre quem eu penso que sou e quem os outros pensam que sou, e que não é uma síntese desta gente, o que seria fácil de conceber e dispensaria este método da busca de si à Lucky Luke, que inclui riscos; nem quando exclusivamente praticado nas casas de banho privadas deixo de imaginar uma câmara do outro lado registando a rotina, para um eterno embaraço, mais vergonhoso do que as poses com a musculatura tensa, os olhares sedutores ensaiados e até um vídeo de uma esporádica masturbação na posse dos meus adversários - digamos - políticos. Também já dei comigo a evitar espelhos e demais superfícies reflectoras, e foi com algum alívio que soube não ser o único, pois até o pai de Lobo Antunes se barbeava com a luz apagada (don't try this at home). Só que nas cidades somos sempre alvo fácil para o nosso reflexo e este jogo não pode durar muito tempo. Creio que a vez em que mais tempo estive afastado da minha imagem foi quando fiz campismo selvagem no castelo de Noudar, já há demasiados anos. Durante uma semana não vi o meu rosto e só vim a reencontrar-me reflectido no espelho do WC da discoteca de Barrancos que escolhemos para comemorar o fim da aventura. Mas é escusado exagerar na retórica da percepção de si mesmo: não me lembro se então inclinei ligeiramente a cabeça ou se franzi o sobrolho, e posso garantir que não toquei no espelho com a mão como se me reencontrasse com um extraterrestre, nem fiz qualquer outro gesto teatral.

 

Com o passar dos anos, vou também dando conta de que os espelhos caseiros são objectos íntimos, só perdendo para a escova de dentes. O reflexo é uma questão que eu tenho comigo mesmo, o que torna a partilha de um espelho mais preciosa do que a da cama. E o "Com quantas mulheres dormiste?" é uma contabilidade irrelevante, que pede reformulação: "com quantas mulheres te viste ao espelho? E como?" Porque também o espelho encerra a sua coisa e o seu contrário, como se aprende com o caso extremo do espelho no tecto do quarto de San Silvestre de Guzmán, que transforma toda a intimidade em pornografia. Sobram assim poucas imagens, o que me dá um critério de demarcação redentor - e não me envergonha dizê-lo. Dois corpos nus, que quando se entreolham são mais do que a soma das partes, quase uma nudez ao quadrado. Demorando-se um no outro, mais vulneráveis se tornam e mais se afastam do primeiro instante vão que os tentou, chegando enfim a um segredo comum. Não me envergonha dizê-lo. 

 

 

 

27
Fev12

Enter Brodsky

Eremita

 

 

Foi quando um ucraniano septuagenário, cientista reformado que refez a vida nos EUA já depois dos cinquenta anos, me levou de carro até à estação de comboio, depois de uma tarde passada em casa dele a comer salmão, caviar e batatas cozidas temperadas como só nos países da Europa profundamente continental se faz bem. Era então já noite, seguíamos por uma qualquer estrada ao longo das Hudson Palisades, e ele perguntou-me que autores lia. Falei de Philip Roth e ele respondeu com Brodsky. Mas falámos pouco, como homens ao telefone. Uns dias depois, Anna, a sua mulher, ofereceu-me o On Grief and Reason. Passaram alguns anos até voltar a encontrá-lo e quando ele me disse que entretanto tinha lido todo o Roth, senti a responsabilidade que é interferir no precioso tempo de vida que lhe restava. Não pude responder que tinha lido todo o Brodsky, mas naquela noite teria relido o Spoils of War (o ensaio que abre a colectânea). Como não tinha o livro comigo, resolvi depois passar a lê-lo no dia dos meus anos. E a recomendá-lo apenas a pessoas com menos de cinquenta anos.  

 

"The best way to keep your subconscious from getting overburned is to take pictures", escreve o Brodsky. Disparate. Consigo pensar em formas bem mais eficazes e até igualmente user-friendly. Mas para se ser sublime não se pode ter sempre razão. Exeunt

24
Fev12

Mar meu

Eremita

 

  

Melville tornou possível a vida no interior. 

24
Fev12

Mecânica clássica

Eremita

My point is that even if a new Melville or Twain, Faulkner or Fitzgerald were to appear in our midst, his work would fail to achieve the critical traction and existential weight of those earlier masters. We lack the requisite community of readers, and the ambient shared cultural assumptions, to provide what we might call the responsorial friction that underwrites the traction of publicly acknowledged significance. Roger Kimball, The Great American Novel - um artigo sem uma única ideia original, mas com citações sublimes.  

 

Tradução para o Barão Pirata Grande Pirata Vermelho: "A minha tese é esta: se um novo Garrett ou Eça, Camilo ou Pessoa aparecesse entre nós, a sua obra ficaria aquém, na substância crítica como no lastro existencial, dos livros desses mestres. Falta-nos a necessária comunidade de leitores, bem como um conjunto de valores partilhados, para gerar o atrito necessário a um impacto público de reconhecida relevância". 

 


 

 

 

23
Fev12

25 anos

Eremita

 

 

Que pena não ter escolhido Ourique

Que alegria ter ignorado Castro Verde

Bardamerda para Grândola

22
Fev12

"Take me"

Eremita

UM ÚLTIMO EFEITO, talvez o mais grave: o Acordo mutila o pensamento. A simplificação das palavras, a redução à pura fonética, o «acto» que se torna «ato», tornam simplesmente a língua num veículo transparente de comunicação. Todo o mistério essencial da escrita que lhe vem da opacidade da ortografia, do seu esoterismo, desaparece agora. José Gil, Visão

Sou daqueles que se espantam com a projecção de José Gil; somos vários e piscamos o olho uns aos outros quando nos cruzamos na rua. Do pouco que dele li (não sou masoquista), Gil parece ser uma fenomenal máquina de parir banalidades. Porém, nesta citação creio que assume a tradição intelectual continental (por oposição à britânica) que preza a opacidade pela opacidade, o que é corajoso ou então um revelador "ato" ou acto falhado. É certo que essa tradição assenta numa opacidade retórica e não ortográfica e que fazer esta transposição comporta alguns riscos, como o Lavos bem  explica*, mas é o próprio Gil que a assume quando fala na mutilação do pensamento. Será que Gil pensa mergulhando sempre até à raiz etimológica de cada palavra e que, já em hipóxia, lhe surgem uns lampejos psicadélicos ? Sendo extenuante, seria também uma explicação.

 

Ponham o vídeo a andar e não retomem a leitura antes do segundo 40, pois o que se segue é mais arrebatador com música

 

 

Alguém me contava que o avolumar de argumentos criativos contra o Acordo Ortográfico está a produzir um efeito contraproducente e é bem possível. No que me toca, não tendo competência técnica para fazer uma avaliação objectiva que me deixe a salvo da inclinação natural para resistir à mudança, reclamo apenas um direito que gostaria de generalizar: o direito a não aprender a língua-mãe mais do que uma vez em vida, pois a segunda pode ser uma experiência madrasta. Por outras palavras, qualquer novo acordo deveria ser imediatamente aplicado por todas as estruturas do Estado, mas seríamos obrigados a tolerar os moicanos da língua que lhe quisessem resistir, até à morte da última pessoa alfabetizada a quem ensinaram o antigo Acordo Ortográfico quando era criança. Parece-me justo e bonito. Mudando de assunto, a Madeleine Stowe é linda, sim?

 

* Lavos, escreves de Grande Lisboa ou do interior? É para saber com que periodicidade te posso citar.

22
Fev12

Sou moralista, mas tive uma infância feliz

Eremita

 

"Sick old turtle"

Há um famoso diálogo entre o físico Richard Feynman e um artista seu amigo, em que este diz que os cientistas destroem a beleza da flor no acto de a estudar, ao que Feynman responde com o habitual êxtase da classe quando repete o discurso de que o estudo, na verdade, prolonga e intensifica o gozo. Concordo quase em absoluto, mas reconheço uma notável excepção. Pouco importando aqui saber se é ciência boa ou má, o poder explicativo da biografia e as teses de inspiradas na psicanálise ou nos clássicos gregos (passo a redundância), pela forma como implicam sempre duas gerações na discussão do livre arbítrio, enchem-me de pena e de raiva. 

 

For despite apparent evidence to the contrary, Houellebecq is not a nihilist but a moralist -- and a moralist who consistently idealizes heterosexual love. This is why, though it is often hard to like his fiction, it is possible to admire the strange tortured creature who writes it. Houellebecq was born Michel Thomas, on the French island of Réunion, in 1956, where his accomplished mother, a reader of Mann and Dostoevsky, worked as a doctor. His father, René Thomas, had left school at thirteen, but was a keen reader. (He liked Céline.) He worked as a grocer, a gardener, and finally as a mountain guide. The only full account presently available of Michel's peculiar childhood is Demonpion's lumpy biography. In it, both Houellebecq's father and mother talk with remarkable frankness about how willingly they abandoned their small son. "I have above all lived my life rather than his, but I knew he was in good hands," the father tells Demonpion. When Michel was five months old, his mother's contract was terminated, and the parents decided to cross Africa in a Citroën 2CV. Michel was sent to live with his grandparents in Algeria, where he stayed until 1961. By this time, his parents had divorced. Subsequently, Michel grew up in France with his paternal grandmother, whose name he later took as an act of solidarity with the woman who raised him. 


Houellebecq is suffused with a great sense of righteous vengeance, personal and cultural. For him, his parents' selfishness is emblematic of the sexual revolution that would sweep through the 1960s. "In a sense, it was one of the precursors of the vast movement of familial dissolution which was going to follow," he says in Demonpion's book. "I developed the clear consciousness that a grave injustice had been committed in my regard. I developed out of this a concern for my father and a great disgust for my mother.James Wood


PS: ando a dar mais erros de ortografia, o que costuma estar correlacionado com alterações nos humores.

21
Fev12

David Wallace escreve a Don DeLillo

Eremita

 

 

D.F.W

I have a hard time understanding how Fun fits into the Dedication-Discipline-Respect schema. I know that I had less fun doing IJ than I did doing earlier stuff, even though I know in my tummy that it's better fiction. I think I understand that part of getting older and better as a writer means putting away many of my more childish self-gratifying notions of Fun, etc. But Fun is still the whole point, somehow, no? Fun on both sides of the writer/reader exchange? A kind of pleasure -- more rarified, doubtless, than M&M's or a good wank, but nevertheless pleasure. How do I allow myself to have Fun when writing without sacrificing Respect and Seriousness, i.e. going back to the exhibitionism and show-offery and pointless technical acrobatics? I think one reason why I ask you this (though I know you not at all as a person, of course) is that your own fiction seems to me to marry Fun and Seriousness in a profound way, somehow -- a sense of Play that's somehow even Funner because it's not sophomoric or self-aggrandizing or childish or even childlike. This is not coming across like I want it to; I can't make this clear. Maybe your work is this form of profound marriage only to and for me; maybe it's some weird subjective misprision that has to do with me and not your fiction; maybe you have no thoughts on how you've come to make (apparent) Respect and Dedication seem so fuck-all much (apparent) Fun. If you do have any thoughts -- together with a couple minutes to rub together -- I'd be grateful for them. I'm about as professionally flummoxed as I've ever been. Dave Wallace, aos 33 anos.

 

Com o devido agradecimento à Holanda, que me deu a conhecer o magnífico Letters of Note.

Pág. 1/3

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Blogs

Cultura

Ajude Fausto:

  • Uma votação em curso

Ouriquense, S.A, Redacções por encomenda

Séries

Personagens ouriquenses

CineClube- programação

  •  

Filmes a piratear

  •  

Filmes pirateados

Alfaias Agrícolas

Apicultura

Enchidos e Presuntos

Pingo Doce

Imprensa Alentejana

Portal ucraniano

Guitarra

Judiaria

Tauromaquia

Técnicas de homicídio

John Coplans

Artes e Letras

Editoras Nacionais

  •  

Literatura Russa

Leituras concluídas

Leituras em Curso

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D