Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ouriquense

31
Ago10

...

Eremita

Na reiterada acção-reacção, que esta seja mais nobre do que aquela vai sendo cada vez mais raro, embora os casos progressivamente mais raros sejam progressivamente mais nobres.

29
Ago10

Ouriquense likes this

Eremita

Livros imensos com capítulos minúsculos. Bandejas grandes com acepipes. Planícies a perder de vista com árvores a merecer nome próprio.

29
Ago10

...

Eremita

Lamenta-se o encontro e depois o desencontro,

quando à falta de vontade de falar sucede o desejo de ignorar.

29
Ago10

Exibicionismos

Eremita

Cortejos contra a lapidação, de preferência com câmaras de tv por perto, são formas de vaidade: o manifestante abre a gabardine e, em pose exibicionista e masturbatória, mostra ao mundo o tamanho da sua compaixão. Entre a pornografia iraniana e as pornografias lisboetas que se preparam por aí, não sei qual me repugna mais. João Pereira Coutinho

 

 

É uma sorte o moço de recados não ler jornais de grande tiragem, caso contrário este João Pereira Coutinho (JPC) arriscava-se a levar com uma pedra da calçada na testa. O moço de recados não é má pessoa, mas tem um entendimento primário do mundo. Ele esteve na manifestação no Largo Camões, telecomandado a partir de Ourique via tecnologia Nokia, obviamente, e o relato que fez não está de acordo com a descrição de JCP. O cronista fala em "dezenas de humanistas", mas está errado. A menos que faça sentido descrever a altura de Pereira Coutinho em milímetros, é mais sensato falar em centenas (umas três centenas, de acordo com o moço de recados, que nos tempos de pastorícia ficou experimentado em headcounts). O cronista fala também em "humanistas", mas o moço de recados viu pessoas com imensos defeitos e a precisar de limpezas de pele. Enfim, o cronista descreve uma "pose exibicionista e masturbatória". Ora, quem acompanha o percurso de JPC há mais de uma década, sabe que o cronista esgotou as suas fórmulas, mas não deixa de apreciar a renovação constante da sua pose. A fotobiografia de JPC enquanto figura pública é um estudo que urge fazer para a génese da vaidade lusitana, que só perde em urgência para o A Revolta do Tradutor, uma análise métrica das traduções de Vasco Graça Moura, projecto que nos ocupa há largos anos.

 

Seria redutor, desculpabilizador e anacronicamente frenológico explicar a fotogenia como intelectual de JPC por acasos fisionómicos. Não. Pereira Coutinho é um cultor lúcido da pose de intelectual e, como bom conservador, não inova, repete. Nem por isso ele deixa de variar e até de surpreender, como nesta versão Bernard-Henry Lévy:

 

 

Ou no rigoroso ângulo de cabeça, à crooner, com que namora a câmara:




Embora, relembremos, ele esteja mais à vontade nos clássicos, como na pose de braços cruzados, que comunica estoicismo:
E tivesse encontrado nas variações sobre o uso das mãos a sua verdadeira assinatura:
Ora, a proximidade física entre as ergonómicas mãos de JPC e as fantasias juvenis que ricocheteiam no interior da sua cabeça é provavelmente o que de mais exibicionista e masturbatório  se encontra hoje na imprensa. Tendo ainda em conta que na crónica online do Correio da Manhã a foto de JPC é do tamanho da mancha gráfica do texto, o que remete para o primado do estímulo visual sobre o enredo, ao ler "pornografia" e "poses exibicionistas e masturbatórias" não pude deixar de me lembrar que é no relato autobiográfico que Coutinho atinge o seu cume histriónico, mesmo quando são actos falhados  - essa é uma das vantagens de saber que se está a ler um boneco e não uma pessoa, porque o espalhafato dos gemidos públicos de JPC deixa no ar a suspeita de um orgasmo fingido e só outros adolescentes o poderão levar a sério. Boys will be boys

28
Ago10

Uma aposta

Eremita

 

A série Quem Matou Igor? cumpriu o período de estágio com aproveitamento e chegará às 115 entradas antes de Julho de 2011. Até lá teremos visitado (não necessariamente por esta ordem): El Granado, Villanueva de los Castillejos, Madrid, Barcelona, San Sebastián, Burgos, Córdoba e Sevilla, entre outras cidades e pueblos do país vizinho. O Ouriquense assume-se como um espaço ibérico, apesar da xenofobia e ódio que se encontrará em Quem matou Igor?, folhetim que não perderá uma oportunidade para denegrir a indústria espanhola de panificação.

 

Haverá flamenco, touros, Gonzalo Torrente Ballester, mulheres narigudas, Camilo José Cela, uma mulher louca que jura ter dormido com Juan Carlos e guarda um pêlo púbico que diz pertencer ao monarca, fantasias oníricas com bisnagas de leite condensado, e um rasto de sangue que ninguém sabe muito bem a quem pertence mas que podemos entender como a materialização de um fio condutor.

 

É claro que assim se prova que minha ética de trabalho e ética como artista são incentivos muito menos seguros do que o desejo primário de não perder uma aposta. Se perder, farei um donativo de 2000 euros à Sociedade Protectora dos Animais*. Se ganhar, ficarei muito feliz. Ninguém sai a perder, é uma win-win situation para a humanidade.

* A aposta não me obriga a visitar todas as cidades que referi. Cada entrada terá pelo menos 300 palavras.

Pág. 1/4

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Blogs

Cultura

Ajude Fausto:

  • Uma votação em curso

Ouriquense, S.A, Redacções por encomenda

Séries

Personagens ouriquenses

CineClube- programação

  •  

Filmes a piratear

  •  

Filmes pirateados

Alfaias Agrícolas

Apicultura

Enchidos e Presuntos

Pingo Doce

Imprensa Alentejana

Portal ucraniano

Guitarra

Judiaria

Tauromaquia

Técnicas de homicídio

John Coplans

Artes e Letras

Editoras Nacionais

  •  

Literatura Russa

Leituras concluídas

Leituras em Curso

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D